Procurador Geral da República faz aceno de apoio a militares no Ministério Público

O procurador-geral da República Augusto Aras decidiu retribuir o apoio que recebeu do Ministério Público Militar na sua indicação para o cargo que ocupa hoje. Ele respaldou a aprovação pelo Senado do nome de Marcelo Weitzel como representante do Ministério Público Militar no Conselho Nacional do Ministrio Público

Augusto Aras
Augusto Aras (Foto: Pedro França/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A aprovação de Marcelo Weitzel pelo Senado como representante do Ministério Público Militar no CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), na semana passada, foi lida por membros do colegiado como um aceno de Augusto Aras, procurador-geral da República, aos militares. 

A coluna Painel da Folha de S.Paulo informa que Aras trabalhou pela recondução de Weitzel e pediu ajuda ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para aprová-lo.   

Assim, Aras retribuiu o apoio que recebeu na campanha para chefiar o Ministério Público.  

Em setembro último, o Ministério Público Militar (MPM) divulgou nota pública apoiando a indicação de Augusto Aras para o cargo de Procurador-Geral da República (PGR).   

“Confiante na disposição do indicado de garantir a harmonia e a equanimidade entre os quatro ramos do MPU [Ministério Público da União], com o objetivo de fortalecer a instituição, o Ministério Público Militar certamente estará à disposição para contribuir com o aperfeiçoamento do cumprimento das atribuições constitucionais do Ministério Público”, diz a nota lançada na época.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247