Projeto do PSL quer dar a Bolsonaro a chance de indicar quatro ministros para o STF

Na proposta da deputada Bia Kicis (PSL-DF), que revoga a PEC da Bengala, Bolsonaro poderia indicar, até o fim de seu mandato, quatro nomes para ministros do STF para as vagas de Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A deputada do PSL, partido de Jair Bolsonaro, Bia Kicis (DF), apresentou proposta de emenda à Constituição (PEC)  que revoga a chamada PEC da Bengala, o que faria com que a idade máxima para aposentadoria compulsória de ministros da Corte, por exemplo, voltasse para 70 anos. A medida tem como objetivo dar a Bolsonaro a chance de indicar mais dois nomes para o Supremo Tribunal Federal.

Segundo a deputada, se aprovada, a proposta teria “aplicação imediata”. Dessa forma, Bolsonaro poderia indicar, até o fim de seu mandato, quatro nomes para ministros do STF para as vagas de Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber.

A parlamentar não esconde que o objetivo da proposta e colocar no Supremo ministros alinhado a pauta conservadora de Bolsonaro. "Não vou esconder que isso é fruto de uma insatisfação da população em relação ao ativismo do Supremo. Hoje, com essa idade de 75 anos, vai demorar muito tempo pra haver uma renovação do Supremo", admitiu.

Apesar de ser do mesmo partido que Bolsonaro, a deputada disse que a PEC é uma promessa de sua campanha e não que “não tem nada a ver com o presidente Jair Bolsonaro” e que ele não se posicionou sobre o assunto porque prefere “se afastar e deixar o legislativo resolver”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247