Propina era algo natural, diz presidente da Andrade Gutierrez

O presidente do grupo Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, afirmou que o pagamento de propina era visto como "algo natural" dentro da empresa; "Era um custo comercial", afirmou ele, em audiência realizada nesta quinta (28); segundo ele, os custos da propina eram inseridos na composição do orçamento da obra, junto com gastos administrativos, de locação, mão de obra e afins; de acordo com Azevedo, foram R$ 40 milhões de propina pagos entre 2008 e 2014, a maior parte feita por meio de doações eleitorais; "Era um bônus eleitoral; se enquadrava dentro de um processo formal", disse

O presidente do grupo Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, afirmou que o pagamento de propina era visto como "algo natural" dentro da empresa; "Era um custo comercial", afirmou ele, em audiência realizada nesta quinta (28); segundo ele, os custos da propina eram inseridos na composição do orçamento da obra, junto com gastos administrativos, de locação, mão de obra e afins; de acordo com Azevedo, foram R$ 40 milhões de propina pagos entre 2008 e 2014, a maior parte feita por meio de doações eleitorais; "Era um bônus eleitoral; se enquadrava dentro de um processo formal", disse
O presidente do grupo Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, afirmou que o pagamento de propina era visto como "algo natural" dentro da empresa; "Era um custo comercial", afirmou ele, em audiência realizada nesta quinta (28); segundo ele, os custos da propina eram inseridos na composição do orçamento da obra, junto com gastos administrativos, de locação, mão de obra e afins; de acordo com Azevedo, foram R$ 40 milhões de propina pagos entre 2008 e 2014, a maior parte feita por meio de doações eleitorais; "Era um bônus eleitoral; se enquadrava dentro de um processo formal", disse (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No primeiro depoimento à Justiça depois que virou delator da Operação Lava Jato, o presidente do grupo Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, afirmou que o pagamento de propina era visto como "algo natural" dentro da empresa. "Era um custo comercial", afirmou Azevedo, em audiência realizada nesta quinta-feira (28).

Segundo ele, os custos da propina eram inseridos na composição do orçamento da obra, junto com gastos administrativos, de locação, mão de obra e afins.

Além dos percentuais devidos para agentes da Petrobras, a Andrade Gutierrez afirmou, em delação premiada, que pagava 1% de propina ao PT sobre todos os contratos que tinha com o governo federal -a pedido do então presidente do partido, Ricardo Berzoini.

Segundo Azevedo, foram R$ 40 milhões de propina pagos entre 2008 e 2014, a maior parte feita por meio de doações eleitorais.

"A gente não via de uma maneira criminalizada. Era uma contribuição para um partido político", afirmou. "Era um bônus eleitoral; se enquadrava dentro de um processo formal", disse.

Segundo ele, a propina era paga para "manter o status de relacionamento" com o governo federal e evitar problemas.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247