PSDB pede cassação de Dilma e posse de Aécio

O PSDB e a coligação "Muda Brasil" protocolaram nesta quinta (18) no Tribunal Superior Eleitoral o pedido de cassação do registro de candidatura e da diplomação da presidente Dilma Rousseff (PT) e seu vice, Michel Temer (PMDB); na ação, o partido também pediu a diplomação dos senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes Ferreira para os postos de presidente e vice; os tucanos classificam como “pífia” a vantagem de “apenas 2,28%” da petista sobre a candidatura tucana; Dilma e Temer já foram diplomados

O PSDB e a coligação "Muda Brasil" protocolaram nesta quinta (18) no Tribunal Superior Eleitoral o pedido de cassação do registro de candidatura e da diplomação da presidente Dilma Rousseff (PT) e seu vice, Michel Temer (PMDB); na ação, o partido também pediu a diplomação dos senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes Ferreira para os postos de presidente e vice; os tucanos classificam como “pífia” a vantagem de “apenas 2,28%” da petista sobre a candidatura tucana; Dilma e Temer já foram diplomados
O PSDB e a coligação "Muda Brasil" protocolaram nesta quinta (18) no Tribunal Superior Eleitoral o pedido de cassação do registro de candidatura e da diplomação da presidente Dilma Rousseff (PT) e seu vice, Michel Temer (PMDB); na ação, o partido também pediu a diplomação dos senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes Ferreira para os postos de presidente e vice; os tucanos classificam como “pífia” a vantagem de “apenas 2,28%” da petista sobre a candidatura tucana; Dilma e Temer já foram diplomados (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O PSDB e a coligação "Muda Brasil" protocolaram nesta quinta-feira (18) no Tribunal Superior Eleitoral o pedido de cassação do registro de candidatura e da diplomação da presidente Dilma Rousseff (PT) e seu vice, Michel Temer (PMDB). Na ação, o partido também pediu a diplomação dos senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes Ferreira para os postos de presidente e vice, respectivamente. No documento, o partido classifica como “pífia” a vantagem de “apenas 2,28%” da petista sobre a candidatura tucana - cerca de 3,4 milhões de votos. A cerimônia de diplomação da de Dilma e Temer foi realizada esta noite pelo Tribunal.

No documento, as partes alegaram que a candidatura de Dilma e Temer teria feito uso da máquina administrativa e abusado do poder econômico durante a campanha. Para o PSDB, teriam havido desvios que, na avaliação do partido, comprometeram a legitimidade das eleições. “Como exemplo, a convocação imprecisa de redes de rádio e televisão para pronunciamentos, a manipulação de indicadores socioeconômicos, o uso de prédios públicos, entre outros”, diz o partido.

"A eleição presidencial de 2014, das mais acirradas de todos os tempos, revelou-se manchada de forma indelével pelo abuso de poder, tanto político quanto econômico, praticado em proveito dos primeiros réus, Dilma Vana Rousseff e Michel Miguel Elias Temer Lulia, reeleitos presidente e vice-presidente da República, respectivamente”, diz trecho da representação.

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247