PSOL diz 'repudiar com veemência', declarações de comandante do Exército

PSOL afirmou, em nota, que repudia com veemência as declarações do general Vilas Boas, proferidas às vésperas do julgamento do STF"; para o PSOL, "em tom inaceitável, o comandante das Forças Armadas sugere veladamente que o Exército poderia agir a depender do resultado do julgamento do Habeas Corpus do ex-presidente Lula"; "Não abriremos mão dos direitos democráticos e da necessidade premente da união de todos os setores progressistas e democráticos em uma frente contra a violência, o fascismo e a escalada autoritária", diz o texto

Brasília - O comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Boas, durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, do Senado (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Brasília - O comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Boas, durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, do Senado (Marcelo Camargo/Agência Brasil) (Foto: Paulo Emílio)

247 - O PSOL afirmou, em nota, que repudia com veemência as declarações do general Vilas Boas, proferidas às vésperas do julgamento do STF". Para o PSOL, "em tom inaceitável, o comandante das Forças Armadas sugere veladamente que o Exército poderia agir a depender do resultado do julgamento do Habeas Corpus do ex-presidente Lula".

"Dessa forma, o General age como "indutor" da violência entre os brasileiros, incentivando os mais desequilibrados a se insurgir contra a Constituição brasileira", diz a nota. O texto ressalta, ainda, a declaração do general da reserva Luís Gonzaga Schroeder que na semana passada afirmou que "vai ter derramamento de sangue" e essa crise "vai ser resolvida a bala".

"O Brasil só vencerá a profunda crise em que se encontra com mais democracia e coibindo ameaças intolerantes e desequilibradas como as aqui mencionadas. Não abriremos mão dos direitos democráticos e da necessidade premente da união de todos os setores progressistas e democráticos em uma frente contra a violência, o fascismo e a escalada autoritária", finaliza o texto.

Leia a íntegra da nota.

PSOL repudia declarações do General Villas Boas

O PSOL repudia com veemência as declarações do general Vilas Boas, proferidas às vésperas do julgamento do STF.

Em tom inaceitável, o comandante das Forças Armadas sugere veladamente que o Exército poderia agir a depender do resultado do julgamento do Habeas Corpus do ex-presidente Lula.

Dessa forma, o General age como "indutor" da violência entre os brasileiros, incentivando os mais desequilibrados a se insurgir contra a Constituição brasileira.

Nesta terça-feira (03), o general da reserva Luís Gonzaga Schroeder Lessa já havia incentivado a violência entre os brasileiros.

Na semana passada, o ex-oficial afirmou que "Vai ter derramamento de sangue, infelizmente é isso que a gente receia."

Disse ainda que essa crise "vai ser resolvida a bala".

O Brasil está sobressaltado com o assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL, que desfaz a ideia de que a intervenção militar no Rio de Janeiro teria vindo para solucionar a violência.

Soma-se a isso os atentados a bala contra a comitiva de Lula, no Sul do país.

O quadro é de uma escalada de violência política inédita desde a redemocratização.

A declarações do General Villas-Boas só agravam esse cenário.

Bandos de extrema-direita – incentivados por figuras do mundo político e agora das Forças Armadas – ameaçam as liberdades democráticas.

O Brasil só vencerá a profunda crise em que se encontra com mais democracia e coibindo ameaças intolerantes e desequilibradas como as aqui mencionadas.

Não abriremos mão dos direitos democráticos e da necessidade premente da união de todos os setores progressistas e democráticos em uma frente contra a violência, o fascismo e a escalada autoritária.

Executiva Nacional do PSOL

03 de abril de 2018

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247