PT repudia "espetacularização" em operação contra Coutinho e aponta lawfare

"O Estado de Direito precisa ser respeitado e o direito à ampla defesa não pode ser violado por práticas típicas do lawfare", enfatiza a nota divulgada pelo PT, assinada pela presidente, Gleisi Hoffmann, além dos líderes no Congresso e do presidente do PT na Paraíba. Partido manifestou repúdio ao que chamou de "espetacularização midiática" feita durante a operação da PF contra o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB)

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em nota, o Partido dos Trabalhadores manifestou repúdio ao que chamou de "espetacularização midiática" feita durante a operação da Polícia Federal contra o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, principal nome do PSB, que foi alvo de mandado de prisão preventiva nesta terça-feira. Para a legenda, a operação é parte das práticas típicas do lawfare, método de perserguição política, por meio do sistema de Justiça.

"Uma investigação que deveria se revestir de sobriedade e objetividade foi mais transformada em prejulgamento na mídia, apesar da fragilidade técnica e jurídica da medida cautelar que decretou as prisões", enfatiza a nota.

E acrescenta: "O Estado de Direito precisa ser respeitado e o direito à ampla defesa não pode ser violado por práticas típicas do lawfare".

Confira a íntegra:

O Partido dos Trabalhadores repudia a espetacularização política e midiática em torno das investigações e da decisão judicial desta terça (17/12) envolvendo o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) e diversas pessoas ligadas aos seus dois mandatos.

Uma investigação que deveria se revestir de sobriedade e objetividade foi mais transformada em prejulgamento na mídia, apesar da fragilidade técnica e jurídica da medida cautelar que decretou as prisões.

Causa espanto, por exemplo, a ordem de inclusão do nome de Coutinho na lista de alertas da Interpol, ato que não encontra qualquer justificativa na conduta do ex-governador.

É igualmente estranho o fato de a Rede Globo ter sido informada com antecedência e, em razão disto, ter transformado a operação policial em um espetáculo sensacionalista. Como tem sido praxe em casos que envolvem lideranças do campo popular, a acusação comanda a notícia sem que a defesa tenha direito equivalente.

O Estado de Direito precisa ser respeitado e o direito à ampla defesa não pode ser violado por práticas típicas do lawfare.

Brasília, 17 de dezembro de 2019.

Gleisi Hoffmann
Presidenta do Partido dos Trabalhadores

Paulo Pimenta
Líder do
PT na Câmara

Humberto Costa
Líder do PT no Senado

Jackson Macedo
Presidente do PT da Paraiba

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247