'Quadrilhão do PP': Lira frequentava escritório de doleiro Youssef, pivô da Lava Jato, e provas ainda serão usadas contra ele

Lira esteve quatro vezes no escritório de Youssef entre 2010 e 2011. O esquema, conforme delatado pelo doleiro, envolvia a formação de organização criminosa para desviar recursos públicos. Em outra denúncia, o MP aponta que o dinheiro tinha Lira como beneficiário

Deputado Arthur Lira
Deputado Arthur Lira (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O recém-eleito presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), responde a um processo no Supremo Tribunal Federal (STF), onde ele é acusado pelo doleiro Alberto Youssef, delator central na Operação Lava Jato, de ter apropriado recursos públicos para si. 

Provas que surgiram na investigação ainda podem ser usadas contra Lira. Uma das mais reveladoras é a de que o presidente da Câmara frequentava o escritório do doleiro na zona sul de São Paulo - 4 vezes entre 2010 e 2011.

Segundo os inquéritos, na recepção do estabelecimento ele omitia o sobrenome Lira e se apresentava como Arthur Cesar Pereira.

Nas delações premiadas, Youssef revelou que as visitas foram para a entrega de dinheiro em espécie.

O esquema ficou conhecido como 'Quadrilhão do PP', e envolvia precisamente o pagamento de propina pelo operador por empreiteiras em obras superfaturadas da Petrobrás. 

Além disso, o esquema também tratava do pagamento de dívidas eleitorais.

Em 2019, o ministro Edson Fachin, afirmou que os encontros confirmam o elo entre o PP e "o operador financeiro responsável pelo escoamento das vantagens indevidas".

Existe também uma segunda denúncia contra Lira, que trata da apreensão em 2012 R$106 mil achados na posse de um assessor que tentava embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Segundo o Ministério Público, o dinheiro tinha Lira como beneficiário.

As informações foram reportadas na Folha de S.Paulo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email