"Quanto mais amplas as manifestações, mais consistente tem que ser o núcleo para governar", diz José Genoino

“Temos que reconstruir e transformar o Brasil. Não podemos errar ou falhar, pois como estamos incentivando a esperança temos que dar conta dela”, afirmou o petista

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


247 - O ex-deputado federal José Genoino participou do programa Giro das Onze, da TV 247, e analisou a conjuntura política e comentou a movimentação de setores da elite e do mercado financeiro nas últimas semanas, isolando Jair Bolsonaro.

“Quanto mais amplas as manifestações, mais a gente tem que ter um núcleo de consistência para governar com apoio da sociedade. Sem o apoio da sociedade, não vamos fazer grandes coisas. É Lula na urna e povo na rua”, frisou Genoino, reforçando que é preciso garantir um núcleo à esquerda na campanha do ex-presidente e num eventual governo.

“O Brasil vive a contradição do fio da navalha. O novo quer vencer e o velho quer impedir”, enfatizou. “Primeiro, temos que garantir a eleição. Segundo, ganhar, e vai ser uma luta dura. Não vamos menosprezar o inominável. Terceiro, tomar posse. E quarto, o maior desafio, governar. A carta é uma iniciativa importante porque representa o isolamento. Agora, é uma carta que coloca desafios enormes para nós. Temos que combinar as alianças pontuais para defender a realização da eleição com a construção de um núcleo mais estratégico e consistente”, defendeu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Genuíno salientou que o processo eleitoral será intenso e cheio de inflexões. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Vamos viver um período que cada hora vale um dia. Cada dia vale uma semana. E cada semana vale um mês porque esta eleição concentra tudo de maneira intensa e radical, pois estamos fazendo uma eleição no fio da navalha, cada semana a conjuntura sofre inflexões. A semana da reunião dos embaixadores era uma inflexão. A semana posterior já é outra inflexão”, destacou. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo ele, a situação está muito efervescente e muito tensa, “principalmente porque depois do golpe de 2016, tudo no Brasil é surpreendente”. “Um impeachment sem crime, a prisão de um inocente. Um inocente sai da cadeia e fica em primeiro lugar nas pesquisas. E o inominável leva o país a uma hecatombe sanitária, cultural, ambiental, social, econômica e internacional”, sintetizou.

Para o petista, a eleição nos leva a um dilema e gera uma forte expectativa de mudança econômica e social, mas o eventual governo Lula receberá um país destruído pelo golpe e pelo Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estamos diante de uma encruzilhada. Temos que reconstruir e transformar o Brasil. Não podemos errar ou falhar, pois como estamos incentivando a esperança temos que dar conta dela”, argumentou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email