Queimadas no Pantanal: "vivemos uma situação inédita", diz biólogo que atua na região

O fogo que avança pelo Pantanal desde março já consumiu mais de 1,2 milhão de hectares de vegetação. Segundo o Inpe, até o ano passado foram desmatados mais de 24 mil km² do pantanal, área que correspondente a 16,5% do bioma

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) está destinando máquinas utilizadas em crimes ambientais para combate aos incêndios no Pantanal 10 de agosto de 2020
A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) está destinando máquinas utilizadas em crimes ambientais para combate aos incêndios no Pantanal 10 de agosto de 2020 (Foto: Mayke Toscano)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil de Fato - Um dos biomas mais ricos em biodiversidade e importantes do planeta, o Pantanal, passa pela maior seca e número de queimadas das últimas décadas. Somente nesse ano foram mais de 1 milhão e 200 mil hectares de área queimada. o que corresponde a 8 vezes o território do município de são paulo.

Para André Siqueira, biólogo da ONG Ecoa, que atua há mais de 31 anos no pantanal, a situação é inédita.

“Não há nada parecido com o que estamos vivendo. Quem está no pantanal há muitos anos comenta que não existiu ainda momento como esse. Esse ano não tivemos chuva praticamente nenhuma. Não tivemos o pulso de inundação. Os milhares de hectares que são inundados todos os anos, que mantêm os solo úmidos e as áreas inacessíveis até pelo menos julho e junho, nós não tivemos isso.” afirma Siqueira.

Segundo Marcos Rosa, coordenador do Map Biomas, o motivo da seca histórica advém de um efeito sistêmico, que está associado ao desequilíbrio climático e hídrico, ocasionado pela devastação de outros biomas importantes, como o cerrado e principalmente a Amazônia.

“As cabeceiras dos rios que correm para o Pantanal nascem no Cerrado e na Amazônia. E elas foram muito devastadas, apenas 40% delas são conservadas, o resto todo já tem ocupação agrícola.  É muita soja cuja plantação vai até a borda do rio. Então, quando chove os sedimentos descem para dentro do Pantanal e vão assoreando os rios do pantanal, deixando os rios mais rasos.” afirma Rosa

Além do problema hídrico que advém de outros territórios, outro fator central é a ação de pecuaristas que atuam desmatando e trocando a vegetação local por outras mais resistentes ao gado. Segundo um levantamento do Instituto SOS pantanal, cerca de 15% da área do pantanal já foi convertida em pastagem.

“Tem o uso tradicional de pastagem, o uso muito sustentável, o pantaneiro mesmo, que não tem grande impacto. O grande problema hoje é exatamente esse pessoal de fora, que não é o ocupante tradicional do Pantanal, e que a primeira coisa que faz quando chega, é remover toda toda área de gramínea, savana e floresta para fazer um plantio de exótica. E de áreas muito grandes. Esse é o grande problema do Pantanal.” explica Rosa.

Desde o dia 15 de julho, o governo federal proibiu queimadas em todo o país por 120 dias, e na semana seguinte enviou militares e aeronaves para combater os incêndios no bioma. Porém, ambientalistas afirmam que o socorro foi muito tarde e não arrefecerá os efeitos do desmonte dos órgãos responsáveis pela fiscalização na região, como o IBAMA e a ICMBIO.

“Há uma falta de investimento dos órgãos fiscalização de monitoramento, prevenção e combate. A estrutura de fiscalização atual é completamente contrário ao crescimento exponencial do fogo. Não tem como negar desassociar que a narrativa federal repercute no repasse dos recursos.” afirma Siqueira.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247