Quem apedreja hoje pode virar o apedrejado amanhã, alerta sociólogo

Coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da USP, o sociólogo Sérgio Adorno afirma que a polarização fermenta o radicalismo, que deve ser combatido, sob pena de sair do controle; “O apedrejador de hoje pode ser o apedrejado de amanhã”, diz ele, estudioso de direitos humanos e conflitos sociais

Quem apedreja hoje pode virar o apedrejado amanhã, alerta sociólogo
Quem apedreja hoje pode virar o apedrejado amanhã, alerta sociólogo
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O sociólogo Sérgio Adorno diz que a onda de violência na política —simbolizada pela morte da vereadora Marielle Franco e pelos tiros na caravana do ex-presidente Lula— indica que a democracia brasileira precisa completar um ciclo de consolidação.

Para o professor, coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da USP, o país tem que se distanciar do autoritarismo para que o diálogo substitua o poder conquistado por intermédio da força.

Adorno afirma que a polarização fermenta o radicalismo, que deve ser combatido, sob pena de sair do controle. “O apedrejador de hoje pode ser o apedrejado de amanhã”, diz ele, estudioso de direitos humanos e conflitos sociais.

As informações são de reportagem de Joelmir Tavares na Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247