Quem convoca as manifestações pró-Bolsonaro

Sem uma organização centralizada, as manifestações previstas para este domingo (26) pelo Brasil têm sido convocadas por grupos políticos de direita e extrema-direita originários das redes sociais, como o Movimento Avança Brasil e o NasRuas, por dissidentes do MBL (Movimento Brasil Livre) e Vem Pra Rua, pelo Clube Militar e por empresários como João Appolinário (Polishop) e Luciano Hang (Havan)

Quem convoca as manifestações pró-Bolsonaro
Quem convoca as manifestações pró-Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/Ag�ncia Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com forte identificação com o bolsonarismo, os grupos de direita e extrema-direita que nasceram nas redes sociais como o Direita São Paulo e o Consciência Patriótica, além do Movimento Avança Brasil e o NasRuas, estão convocando para os atos deste domingo (26), diferentemente do MBL (Movimento Brasil Livre) e do Vem Pra Rua, que tiveram papel importante nas manifestações que derrubaram a ex-presidente Dilma Rousseff, mas não participarão hoje. Com isso, dissidentes desses dois grupos que não concordaram com a decisão também aderiram aos atos, informa o Nexo.

"Outra fonte de convocação é o Clube Militar, que reúne entre seus sócios militares da reserva, da ativa e também civis. Em nota oficial, a instituição convocou seus quase 40 mil sócios a irem às ruas e declarou que os atos apoiam 'reformas necessárias à governabilidade'. Não é comum o Clube Militar apoiar institucionalmente manifestações. Fundado no século 19 e sediado no Rio, o Clube Militar não tem nenhum vínculo formal com as Forças Armadas e é dirigido por oficiais que já passaram à reserva, mas exerce influência na corporação. O vice-presidente Hamilton Mourão chefiou o Clube Militar em 2018. Além disso, um grupo de empresários apoia publicamente as manifestações, por meio do recém-criado Instituto Brasil 200, que reúne executivos e defende a implantação de medidas liberais na economia. Entre eles estão João Appolinário (dono da Polishop) e Luciano Hang (dono da Havan)", conta a reportagem.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247