Reforma trabalhista derruba em 62% ações contra bancos

As ações na Justiça do Trabalho contra os bancos caíram 62% após a reforma trabalhista do governo Michel Temer; entre janeiro e julho deste ano foram ajuizadas 15,6 mil ações, contra 40,8 mil no mesmo período do exercício anterior; setor financeiro foi o que teve a maior queda no percentual de ações trabalhistas em todo o país

Reforma trabalhista derruba em 62% ações contra bancos
Reforma trabalhista derruba em 62% ações contra bancos (Foto: Agência Brasil)

247 - As ações na Justiça do Trabalho contra os bancos caíram 62% após a reforma trabalhista do governo Michel Temer. Segundo levantamento feito pelo jornal Folha de São Paulo, entre janeiro e julho deste ano foram ajuizadas 15,6 mil ações, contra 40,8 mil no mesmo período do exercício anterior. O setor financeiro foi o que teve a maior queda no percentual de ações trabalhistas em todo o país. A Indústria, que lidera as reclamações trabalhistas, também teve uma queda de 45% no período e o total de ações ajuizadas caiu de 334,1 mil para 183,9 mil.

O alto volume de ações trabalhistas é apontado pelas instituições financeiras como um dos fatores limitantes para a queda na taxa de juros, uma vez que entram na composição dos spreads bancários. Esta despesa, que compõe as despesas administrativas dos bancos, representavam, segundo dados do Banco Central, 16% do Indicador do Custo de Crédito (ICC) no ano passado. Apesar da queda em 2018, esta redução não se refletiu nas taxas cobrados pelas instituições financeiras.

O setor bancário é um dos que registram os maiores índices de reclamações na Justiça do Trabalho. Para especialistas, a redução das ações está ligada às limitações decorrentes da limitação da justiça gratuita, a partir das novas regras trabalhistas que determina que os trabalhadores devem pagar os custos processuais e advocatícios caso percam a ação.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247