Ex-pró-reitor preso em operação que afastou governador do Rio diz que doou para campanha de Flávio Bolsonaro

Ex-pró-reitor da UNIG, José Carlos de Melo, preso na operação que resultou no afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, teria dito a interlocutores que fez doações para pagar dívidas de campanha de Flávio Bolsonaro ao Senado em 2018.

José Carlos de Melo e Flávio Bolsonaro REUTERS/Adriano Machado
José Carlos de Melo e Flávio Bolsonaro REUTERS/Adriano Machado (Foto: Reprodução | REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-pró-reitor da Universidade Iguaçu (UNIG) José Carlos de Melo, que foi preso na operação que resultou no afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, teria dito a interlocutores que fez doações à campanha de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ao Senado em 2018. 

Segundo reportagem do blog do jornalista Guilherme Amado, o dinheiro teria sido empregado no pagamento de dívidas da campanha do parlamentar. A doação teria sido pedida por Leonardo Rodrigues, segundo suplente de Flávio Bolsonaro e até hoje secretário de Ciência e Tecnologia do governo do Rio. 

A prestação de contas do parlamentar, porém, não registra os recursos citados por Melo, seja na forma de pessoa física ou pela UNIG.

A universidade enviou ao 247 o comunicado abaixo, esclarecendo que Melo nunca foi reitor da UNIG, como dizia o título desta matéria.

NOTA DE ESCLARECIMENTO UNIG

Em virtude das recentes notícias, a Universidade Iguaçu (UNIG) esclarece que José Carlos de Melo não é pró-reitor administrativo da Universidade desde junho de 2020, quando foi exonerado do cargo.

Importante frisar que José Carlos de Melo não é, nem nunca foi, reitor ou proprietário da UNIG. O CAPE, pessoa jurídica por ele presidida, havia sido contratado para realizar a gestão da UNIG por prazo determinado, mas teve seu contrato antecipadamente rescindido pela Universidade em junho deste ano, em razão de inadimplementos constatados.

A UNIG informa ainda que, desde o desligamento de José Carlos, não há mais qualquer relação entre ele e a Universidade. Vale ressaltar também que todo o faturamento da instituição advém das mensalidades pagas pelos alunos.

A UNIG lamenta que seu nome esteja sendo mencionado quando da narrativa de determinadas condutas imputadas ao José Carlos de Melo. A Universidade está à disposição para prestar todos os esclarecimentos que se façam necessários.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247