Relatório da ONU fala em ‘apartheid climático’ no Brasil de Bolsonaro

Um relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) citou o Brasil como um dos exemplos negativos de nação que está tomando medidas na direção contrária à prevenção das mudanças climáticas

Desmatamento na Amazônia cresce 20% entre agosto de 2018 e abril de 2019
Desmatamento na Amazônia cresce 20% entre agosto de 2018 e abril de 2019 (Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) citou o Brasil como um dos exemplos negativos de nação que está tomando medidas na direção contrária à prevenção das mudanças climáticas. 

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que "o documento, que é assinado pelo relator sobre pobreza extrema do Conselho de Direitos Humanos da instituição, Philip Alston, tem foco nos efeitos do aquecimento global sobre a parcela da população que já é mais vulnerável. O mundo está caminhando para um “apartheid climático”, onde os ricos compram saídas para os piores efeitos do aquecimento global enquanto os pobres têm de suportar o peso, descreve o relatório."

A matéria ainda acrescenta que "o documento aponta que as empresas têm um papel vital nas questões da mudança climática, mas não podem ser confiadas a observar as condições dos mais pobres. "Uma dependência excessiva do setor privado poderia levar a um cenário de apartheid climático em que os ricos pagam para escapar do superaquecimento, fome e conflitos, enquanto o resto do mundo é deixado a sofrer", escreveu."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247