Renan: Senado deve aprovar mudança de fator previdenciário

Proposta foi incluída na MP 664 e foi aprovada em votação no plenário da Câmara na noite desta quarta-feira (13), sendo considerada uma derrota da base governista; "Como o Senado já resolveu acatar o fim do fator previdenciário, é óbvio que ele vai aproveitar essa oportunidade para colocar no lugar do fator uma regra que seja mais favorável aos trabalhadores e ao povo brasileiro", disse o presidente do Senado

Proposta foi incluída na MP 664 e foi aprovada em votação no plenário da Câmara na noite desta quarta-feira (13), sendo considerada uma derrota da base governista; "Como o Senado já resolveu acatar o fim do fator previdenciário, é óbvio que ele vai aproveitar essa oportunidade para colocar no lugar do fator uma regra que seja mais favorável aos trabalhadores e ao povo brasileiro", disse o presidente do Senado
Proposta foi incluída na MP 664 e foi aprovada em votação no plenário da Câmara na noite desta quarta-feira (13), sendo considerada uma derrota da base governista; "Como o Senado já resolveu acatar o fim do fator previdenciário, é óbvio que ele vai aproveitar essa oportunidade para colocar no lugar do fator uma regra que seja mais favorável aos trabalhadores e ao povo brasileiro", disse o presidente do Senado (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que a Casa deverá acompanhar a votação da Câmara e aprovar o fim do fator previdenciário, possibilitando a adoção de um novo cálculo para a aposentadoria. A proposta foi incluída na MP 664 e foi aprovada em votação no plenário da Câmara na noite desta quarta-feira (13), sendo considerada uma derrota por parte da base governista.

"Como o Senado já resolveu acatar o fim do fator previdenciário, é óbvio que ele vai aproveitar essa oportunidade para colocar no lugar do fator uma regra que seja mais favorável aos trabalhadores e ao povo brasileiro", disse o peemedebista.

O fator previdenciário foi criado em 1999, no governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O PSDB, por sinal, foi um dos partidos de oposição que votou maciçamente pela alteração do fator previdenciário de maneira a impingir uma derrota ao Governo.
Pela regra do fator, o tempo mínimo de contribuição para aposentadoria é de 35 anos para homens e 30 para mulheres. O valor do benefício é reduzido para quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos, no caso de homens, ou 60 anos para mulheres.
A alteração aprovada ontem na Câmara propõe a chamada fórmula 85/95. Com ela, o trabalhador se aposenta com vencimento integral – respeitando o teto de R$ 4.663,75 - se a soma da idade e do tempo de contribuição resultar em 85 para mulheres e 95 para homens.

Renan também afirmou que o Senado votará na terça-feira a MP 665, que altera as regras para o pagamento do seguro-desemprego e do abono salarial e que está trancando a pauta do Senado.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247