Resistência a Bolsonaro se intensifica nas ruas

Dois depois da eleição de Jair Bolsonaro (PSL), a resistência ao seu discurso de ódio e contra a democracia reuniu dezenas de milhares de pessoas na Avenida Paulista nesta terça-feira (30); convocado pela Frente Povo Sem Medo, os manifestantes cobravam manutenção dos valores democráticos e a liberdade de manifestação e expressão; "Bolsonaro foi eleito presidente. Mas não imperador. Precisa respeitar a oposição e os movimentos sociais, não ameaça-los. Por isso estaremos nas ruas, pelas liberdades democráticas e por nossos direitos. Essa resistência é legítima e não iremos silenciar diante de qualquer ataque. Vamos sem medo!", disse o líder do MTST, Guilherme Boulos

Resistência a Bolsonaro se intensifica nas ruas
Resistência a Bolsonaro se intensifica nas ruas (Foto: Mídia Ninja )
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - No segundo dia após a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para a presidência, a resistência ao seu discurso de ódio e contra a democracia se manifestou em várias cidades do País, em atos organizados pelas frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular. 

Em São Paulo, dezenas de milhares de pessoas ocuparam a avenida Paulista para protestar contra Jair Bolsonaro. O ato contou com a participação do líder do MTST e ex-candidato do PSOL a presidente, Guilherme Boulos, além de deputados e líderes de movimentos sociais e estudantis. 

Em discurso inflamado, Boulos disse que Bolsonaro não será "imperador" e terá que respeitar a Constituição. "Bolsonaro foi eleito presidente. Mas não imperador. Não pode passar por cima dos valores democráticos, da liberdade de manifestação e expressão. Precisa respeitar a oposição e os movimentos sociais, não ameaça-los. Por isso estaremos nas ruas, pelas liberdades democráticas e por nossos direitos. Essa resistência é legítima e não iremos silenciar diante de qualquer ataque. Vamos sem medo!", afirma Guilherme Boulos.

No Rio de Janeiro, manifestantes aminharam e interditaram temporariamente vias movimentadas do Centro como as avenidas Presidente Antônio Carlos e Presidente Vargas. O grupo caminhou até a porta do Palácio Duque de Caxias, onde fica o Gabinete da Intervenção Militar. No local, gritaram palavras contra a Polícia Militar e a intervenção.

PUBLICIDADE

 

 

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email