Ricardo Salles recua da tentativa de reduzir meta oficial de redução de desmatamento e queimadas

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, recuou da proposta de reduzir em 90% a meta para conter o desmatamento ilegal nos biomas nacionais. O Ministério da Economia, que analisou o projeto, informou que a proposta de Salles "precisou ser ajustada para se adequar aos critérios legais",

Ricardo Salles
Ricardo Salles (Foto: Lula Marques)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, recuou da intenção de reduzir em 90% a meta para conter o desmatamento e os incêndios ilegais nos biomas nacionais, prevista no Plano Plurianual (PPA) do governo até 2023. O PPA foi aprovado pelo Congresso e sancionado por Jair Bolsonaro em dezembro do ano passado. 

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o recuo foi anunciado pelo Ministério da Economia que emitiu uma nota informando que a pasta ambiental mantém a meta prevista no PPA. “Nesse contexto, a proposta inicial de alteração da meta apresentada pelo MMA (Ministério do Meio Ambiente) precisou ser ajustada para se adequar aos critérios legais, o que foi feito pelo MMA ao propor uma nova redação para análise do ME (Ministério da Economia)", diz um trecho da nota.

O Ministério da Economia, porém, ressalta que é preciso o envolvimento de outros ministérios, como Agricultura, Defesa e Justiça, na implantação das ações necessárias ao controle do desmatamento ilegal. 

"Reduzir o desmatamento e os incêndios ilegais nos biomas em 90%, através da implementação transversal das políticas estipuladas para cada uma das iniciativas envolvidas no Plano Nacional para Controle do Desmatamento Ilegal e Recuperação da Vegetação Nativa 2020 - 2023, quais sejam, MAPA (Ministério da Agricultura), MJ (Ministério da Justiça), MCTI (Ministério da Ciência e Tecnologia), MD (Ministério da Defesa), MInfra (Ministério da Infraestrutura), MME (Ministério , MDR (Ministério do Desenvolvimento Regional), entre outros”, diz a nota do Ministério da Economia. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247