Ricupero: ‘Bolsonaro está colhendo o que semeou com a China’

Em entrevista ao jornalista Jamil Chade, especialista na cobertura da diplomacia internacional, o embaixador Rubens Ricupero afirma que o governo de Jair Bolsonaro começa a colher os frutos da tempestade que plantou em sua relação com a China, pondo assim em risco a vida dos brasileiros

Rubens Ricupero
Rubens Ricupero (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O embaixador Rubens Ricupero, uma das vozes mais autorizadas sobre política internacional e política externa brasileira, destaca que a decisão da China de redirecionar material que poderia salvar vidas no Brasil deve ser interpretada no contexto das ofensas que o clã de Bolsonaro dirigiu contra o governo chinês. 

A decisão dos chineses de cancelar contratos de venda de equipamentos médicos ao Brasil foi tomada duas semanas depois que o deputado Eduardo Bolsonaro foi às redes sociais para acusar a China pela pandemia. Depois de uma reação dura do embaixador chinês, foi a vez do chanceler Ernesto Araújo sair em defesa do filho de seu chefe, aprofundando o mal-estar.

"Por ironia dramática, os fanáticos sectários da antiglobalização e do soberanismo nacionalista, tanto Donald Trump e seus sequazes americanos, quanto Bolsonaro e discípulos olavistas como o ministro do Exterior Araújo, se encontram todos de joelhos à mercê da China, transformada pela globalização na fonte praticamente exclusiva do socorro na hora da verdade", disse Ricupero.

Leia a íntegra na coluna de Jamil Chade.
 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email