Rui Costa Pimenta: ação do STF contra bolsonaristas abre espaço para ataques à esquerda

Para o presidente do PCO, medidas como a prisão de Sara Winter apenas “abrem caminho para a mesma política contra a esquerda”. Ele também critica a postura da esquerda em chamar a militante bolsonarista de “terrorista” e avalia que essa prisão não foi uma vitória contra o fascismo. Assista

Rui Costa Pimenta do PCO.
Rui Costa Pimenta do PCO. (Foto: Brasil 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247


247 - O jornalista, analista político e presidente do PCO, Rui Costa Pimenta, falou sobre a prisão da militante bolsonarista Sara Winter em entrevista à TV 247. Ela e mais cinco bolsonaristas foram presos na manhã de segunda-feira, 15, pela Polícia Federal, após autorização do Supremo Tribunal Federal. A prisão foi decorrente do inquérito que apura atos antidemocráticos, enquadrados na Lei de Segurança Nacional.

Para o analista político, a prisão de Winter não foi uma vitória contra o fascismo, como muitos comemoraram. Rui Costa Pimenta afirma que defender a campanha antiterrorismo e a Lei de Segurança Nacional é “uma campanha suicida da esquerda”. Ele lembra que a “campanha contra o ‘terror’ foi criada pelo imperialismo para esmagar países inteiros”. “A esquerda não pode fazer coro com isso”, ressaltou.

A medida do STF é uma “condenação de todo tipo de atividade política que não seja institucional” e por isso pode atingir “com muito mais facilidade” as organizações de esquerda. “O que impediria o STF de fazer a mesma coisa com os antifascistas?”, questionou. Ele lembra o caso da Lei da Ficha Limpa, que muita gente da esquerda comemorou em nome de uma suposta luta contra a corrupção, mas que finalmente foi usada para impedir Lua de concorrer nas eleições de 2018.

“Não há vantagem para a esquerda” que as pessoas sejam processadas e presas pelo o que elas falam ou fazem nas redes sociais ou em manifestações, disse Rui, que lembrou que a esquerda também não gosta do STF e, em um momento de radicalização política, pode ‘atacar as instituições’. Desta forma, a medida apenas “abre caminho para a mesma política contra a esquerda”.

O analista reforçou também que o núcleo do bolsonarismo não foi atingido. Segundo ele, foram presas “figuras secundárias”, a “ala miúda do bolsonarismo”, alguns manifestantes e “propagandistas”, mas nenhum articulador do governo de Jair Bolsonaro. Ou seja, reforça, além de ser uma coisa que pode prejudicar a esquerda, ser “um gesto sem significado”.

Ele também lembrou que trata-se de uma “luta entre quadrilhas”. Segundo o jornalista, o ministro do STF Alexandre de Moraes é ligado ao governador de São Paulo, João Doria, pessoas da “ala direita fascista do PSDB”. A prisão de Sara Winter, para Rui, teria sido uma retaliação dos governadores contra os ataques de Bolsonaro, porém com pesos desproporcionais.

O presidente do PCO lembrou, porém, que essas instituições são todas golpistas e de direita e procuram “administrar a situação”, fazendo um “jogo de cena”. “Isso não vai derrotar o fascismo no Brasil”, concluiu.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247