Sem crime, OAB quer golpe pelo conjunto da obra

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, não apontou um ato específico de crime de responsabilidade cometido pela presidente Dilma Rousseff em entrevista concedida à BBC; segundo ele, o Conselho Federal da OAB entendeu que Dilma deve ser processada pelo “conjunto da obra”; ele protocolou na Câmara hoje, sob protesto de advogados, um novo pedido de impeachment contra a presidente

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, não apontou um ato específico de crime de responsabilidade cometido pela presidente Dilma Rousseff em entrevista concedida à BBC; segundo ele, o Conselho Federal da OAB entendeu que Dilma deve ser processada pelo “conjunto da obra”; ele protocolou na Câmara hoje, sob protesto de advogados, um novo pedido de impeachment contra a presidente
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, não apontou um ato específico de crime de responsabilidade cometido pela presidente Dilma Rousseff em entrevista concedida à BBC; segundo ele, o Conselho Federal da OAB entendeu que Dilma deve ser processada pelo “conjunto da obra”; ele protocolou na Câmara hoje, sob protesto de advogados, um novo pedido de impeachment contra a presidente (Foto: Valter Lima)

247 - O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, afirmou em entrevista à jornalista Mariana Schreiber, da BBC Brasil, que o Conselho Federal da OAB entendeu que a presidente Dilma Rousseff deve ser processada pelo “conjunto da obra”.

“A convicção da OAB, ao distribuir essa nova peça é uma decisão técnica. A Ordem não se envolve em questões políticas, ideológicas ou partidárias”, afirmou. Em conversa por telefone com a BBC, Lamachia repetiu doze vezes, em uma conversa de cerca de 15 minutos, o argumento de que a decisão da instituição foi técnica.

Ele negou também ver riscos de retrocessos na economia e evitou fazer uma comparação com o cenário político de 1964, quando ocorreu o golpe militar. "Nós hoje vivemos em uma democracia que está absolutamente consolidada, nossas instituições são fortes. Eu não vejo mínimo risco de retrocesso em nossa democracia", observou.

Leia aqui a íntegra.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247