Seminário com Moro é boicotado por advogados

Maiores criminalistas do país retiram patrocínio ao 21º Seminário Anual do IBCCrim, uma das reuniões de maior prestígio no meio jurídico, depois que o juiz da Lava Jato foi confirmado para participar de mesa de debates; revoltados, advogados sustentam que as prisões decretadas por Moro foram usadas como pressão para obter delações: "Não vou pagar para dar palco a quem viola constantemente o direito de defesa e falará sobre colaborações que sabemos bem como se dão", afirma Arnaldo Malheiros; outros advogados devem aderir ao boicote; Roberto Podval, defensor do ex-ministro José Dirceu, por sua vez, apoia a participação de Moro e diz que "será um prazer debater com ele"

Maiores criminalistas do país retiram patrocínio ao 21º Seminário Anual do IBCCrim, uma das reuniões de maior prestígio no meio jurídico, depois que o juiz da Lava Jato foi confirmado para participar de mesa de debates; revoltados, advogados sustentam que as prisões decretadas por Moro foram usadas como pressão para obter delações: "Não vou pagar para dar palco a quem viola constantemente o direito de defesa e falará sobre colaborações que sabemos bem como se dão", afirma Arnaldo Malheiros; outros advogados devem aderir ao boicote; Roberto Podval, defensor do ex-ministro José Dirceu, por sua vez, apoia a participação de Moro e diz que "será um prazer debater com ele"
Maiores criminalistas do país retiram patrocínio ao 21º Seminário Anual do IBCCrim, uma das reuniões de maior prestígio no meio jurídico, depois que o juiz da Lava Jato foi confirmado para participar de mesa de debates; revoltados, advogados sustentam que as prisões decretadas por Moro foram usadas como pressão para obter delações: "Não vou pagar para dar palco a quem viola constantemente o direito de defesa e falará sobre colaborações que sabemos bem como se dão", afirma Arnaldo Malheiros; outros advogados devem aderir ao boicote; Roberto Podval, defensor do ex-ministro José Dirceu, por sua vez, apoia a participação de Moro e diz que "será um prazer debater com ele" (Foto: Realle Palazzo-Martini)

247 - Evento de grande prestígio no mundo jurídico, o 21º seminário anual do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim) não terá a presença dos grandes escritórios de advocacia do país, que tradicionalmente patrocinam a reunião. A razão é a presença do juiz federal Sergio Moro, que conduz os processos da Operação Lava Jato, em uma das mesas de debates do seminário, programado para agosto.

Entre os advogados que vão boicotar o encontro estão José Luis de Oliveira Lima, defensor de Erton da Fonseca, diretor da Galvão Engenharia; Celso Vilardi, advogado de João Auler, presidente do conselho de administração da Camargo Corrêa; e Arnaldo Malheiros, que mantém em sigilo o nome de seu cliente na Lava Jato.

"Não vou pagar para dar palco a quem viola constantemente o direito de defesa e falará sobre colaborações que sabemos bem como se dão", afirmou Malheiros à Folha, referindo-se à delação premiada, tema da mesa composta por Moro. Os criminalistas sustentam que as prisões decretadas por Moro foram usadas como pressão para obter delações.

Descontente com o palestrante, um dos advogados chegou a pagar a primeira parcela de sua cota de R$ 12 mil no evento, mas pediu depois que ela fosse direcionada à biblioteca do instituto. Outros dois consideram aderir ao boicote. Um deles é o de Antonio Mariz, defensor de Eduardo Leite, vice-presidente da Camargo.

"Decidi não patrocinar o seminário no início do ano, mas, se estivesse no grupo, retiraria meu apoio", disse David Teixeira, advogado do lobista Fernando Soares, também à Folha.

A organização do evento confirma que há mais profissionais em contrariedade com a presença de Moro. Mas cederam após conversas com o comitê do IBCCrim. Um deles teria sido Alberto Toron, ex-presidente da entidade e defensor do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC.

A organização do IBCCrim discutiu cancelar o convite a Moro, mas vai mantê-lo. "Não somos teatro para dar palco a ninguém", disse Sérgio Salomão Shecaira, presidente do comitê organizador do IBCCrim. "É um seminário acadêmico e me causa surpresa esse tipo de manifestação."

Há vozes contrárias, porém. Um deles é Roberto Podval, defensor do ex-ministro José Dirceu, que apóia a participação de Moro. "Será um prazer debater com ele", afirmou. A mesa de Moro está marcada para 28 de agosto e contará com os advogados e acadêmicos Lenio Streck e Renato Silveira. O evento terá 70 palestrantes e espera público de mil pessoas.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247