Senador do PSD pede ao STF que investigue envio de fake news por Bolsonaro

O senador Otto Alencar aponta que mensagens anônimas enviadas por Bolsonaro ao então ministro Sergio Moro, com acusações a parlamentares da Bahia

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


247 - O senador Otto Alencar (PSD-BA) apresentou pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando a abertura de um novo inquérito para apurar a suposta disseminação de fake news por Jair Bolsonaro.

De acordo com reportagem do G1, o senador afirma que houve um "encontro fortuito de provas" no inquérito e defende que Bolsonaro deve ser investigado.

“Informações repassadas pelo presidente da República aos seus ministros não dispensam a busca pela idoneidade da informação, notadamente quando se comunica fato demasiadamente grave. De mais a mais, haveria de se exigir um mínimo de formalidade ao se encaminhar a notícia de um fato grave ao ministro da Justiça, envolvendo um senador, um deputado federal, caso o propósito do representado fosse a adequada apuração dos fatos”, escreveu o parlamentar na ação.

Otto se refere a uma mensagem anônima enviada por Bolsonaro ao ex-ministro Sergio Moro, no dia 22 de abril, com acusações a adversários políticos na Bahia. A conversa foi descoberta em meio às investigações do inquérito que apura a suposta ingerência de Bolsonaro na Polícia Federal.

A mensagem, sem identificação do autor, diz que o governador da Bahia, Rui Costa (PT), teria contratado uma empresa do filho do senador Otto Alencar, sem licitação, para gerir o Hospital Espanhol em Salvador.

A unidade estava fechada havia mais de cinco anos, e foi reaberta como unidade de tratamento contra a Covid-19. Registros anexados ao inquérito em andamento indicam que Moro recebeu a mensagem, mas não respondeu.

Ainda de acordo com as mensagens enviadas por Bolsonaro, outra empresa, atribuída ao senador Ângelo Coronel (PSD-BA), teria sido contratada para servir as refeições na unidade por um valor seis vezes maior que o praticado no mercado.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email