Sergio Moro sinaliza que aceitará convite de Bolsonaro

O juiz Sérgio Moro sinalizou positivamente à indicação de seu nome para o ministério da Justiça do futuro governo Bolsonaro; ele minimizou a denúncia de caixa dois na campanha do ex-militar feita pelo jornal Folha de S. Paulo, e disse que a promessa de não lotear ministérios feita por Bolsonaro também se mostra positiva

Sergio Moro sinaliza que aceitará convite de Bolsonaro
Sergio Moro sinaliza que aceitará convite de Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz Sérgio Moro sinalizou positivamente com a indicação de seu nome para o ministério da Justiça do futuro governo Bolsonaro. Ele minimizou denúncia de caixa dois na campanha do ex-militar feita pelo jornal Folha de S. Paulo, e disse que a promessa de não lotear ministérios feita por Bolsonaro também se mostra positiva. 

A reportagem do jornal O Globo destaca que "Moro também via pontos positivos na campanha de Bolsonaro, como a promessa de não lotear os ministérios. Mesmo diante da notícia de que grandes empresas poderiam ter financiado disparos em massa de Whatsapp para o candidato do PSL, manteve a convicção de que poderia ser um erro, mas não corrupção, já que Bolsonaro poderia não saber do apoio dos empresários feito por fora da campanha oficial".

A matéria prossegue, salientando os laços de Moro com o deputado Onyx Lorenzoni: "o juiz da Lava-Jato também diz ter ficado bem impressionado com a atuação do deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil, durante a tramitação das dez medidas anti-corrupção. Argumenta que, mesmo diante da pressão dos demais parlamentares, manteve boa parte do projeto original — embora tenha incluído a possibilidade de juízes e membros do Ministério Público serem denunciados por crime de responsabilidade em caso de abuso de poder".

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247