Servidores sabotam serviços do Metrô em Brasília

Cabos instalados criminosamente na estao Central sobrecarregaram o sistema, que operou com velocidade de 30km/h; suspeita da Polcia Civil que autores sejam metrovirios favorveis greve

Servidores sabotam serviços do Metrô em Brasília
Servidores sabotam serviços do Metrô em Brasília (Foto: Andressa Anholete/247 - 18.01.2012)

Brasília247 – Funcionários do Metrô-DF são suspeitos de sabotar o funcionamento dos trens na semana passada. A constatação é da Polícia Civil, que abriu investigação para apurar as falhas apresentadas pelo serviço, que chegou a parar por algumas horas e deixou os usuários na mão. Um cabo clandestino foi instalado na estação Central, no Plano Piloto, para sobrecarregar o sistema - que entrou em pane e operou com dificuldades. Os veículos circularam com velocidade de 30km/h, bem abaixo do normal, de 80km/h. Em assembleia neste domingo (12), os metroviários decidiram não entrar em greve.

A suspeita de sabotagem fez com motivou a varredura no sistema. Na madrugada do domingo (12), a equipe técnica do Metrô-DF, junto ao grupo de inteligência da Polícia Civil encontrou no Centro de Controle Operacional cabos do sistema de informações mexidos, exatamente onde estava o problema. Um dos cabos havia sido inserido de forma artificial no sistema, fazendo o transporte andar em velocidade reduzida. O aparelho é responsável por coordenar a distância e a velocidade dos veículos. Caso seja confirmado a

O governo do Distrito Federal confirmou que os problemas apresentados na semana passada foram provocados e um boletim de ocorrência foi registrado na 23ª Delegacia de Polícia de Ceilândia para apurar os responsáveis pelo crime. A suspeita é de que funcionários do Metrô-DF, participantes do movimento de greve, sejam os autores. Caso seja confirmado o envolvimento dos servidores, eles podem ser autuados por dano ao patrimônio e tentativa de homicídio.

“O governador já está ciente da situação e considerou a atitude gravíssima. Um grupo de radicais não pode, a pretexto da luta por salários, colocar em risco a vida de mais de 150 mil usuários do metrô”, afirmou o porta-voz do governo, Ugo Braga.

Em entrevista nesta manhã à rádio BandNews, o presidente em exercício do Metrô-DF, Nilson Martorelli , disse que foi redobrada a atenção em todos os controles de acesso em que podem ocorrer esses problemas, e que será modernizado todo o sistema para que haja mais segura.

Segundo o presidente, a suspeita é que cerca de 40, 50 funcionários são suspeitos, pois eles têm livre acesso à sala em que foi encontrado os indícios de sabotagem. Martorelli assegurou que os passageiros não correm mais nenhum risco, apesar dos transtornos ocorridos. Ele não soube mensurar o prejuízo causado pela sabotagem.

Greve

Os metroviários decidiram não entrar em greve nesta segunda-feira (13). A categoria se reuniu em assembleia na noite deste domingo (12), na estação da Praça do Relógio, em Taguatinga, para tomar a decisão. Em 12 de dezembro, os trabalhadores paralisaram as atividades durante 37 dias.

Depois de muito debate, a maioria dos 200 trabalhadores presentes na assembleia avaliou que haveria um prejuízo para a categoria caso a greve fosse deflagrada.

A interrupção dos trabalhos seria por conta do não cumprimento do acordo firmado na última paralisação. De acordo com o sindicato, na ocasião, o Ministério Público decidiu que a categoria deveria ter uma equiparação dos benefícios com as demais empresas públicas do governo. Os metroviários alegam que reuniões foram feitas, mas nenhuma proposta foi apresentada. O Tribunal Regional do Trabalho deu então um 15 dias para o cumprimento do acordo. O sindicato alega que, no último dia estabelecido pelo prazo, o Metrô-DF apresentou propostas que não contemplavam os anseios da categoria.

Com informações do Correio Braziliense e do Jornal de Brasília

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247