Sindicato dos Aposentados vai à OEA contra governo

Motivo de ação na Corte Interamericana de Direitos, ligada à Organização dos Estados Americanos, é o adiamento pelo STF em julgar o processo pela revisão das cadernetas de poupança dos cidadãos que possuíam dinheiro no fundo entre 1986 e 1991; quatro ministros da corte se declararam impedidos, o que pode arrastar em 13 anos a espera pelo julgamento da ação; "Há que encontrar uma solução na alteração do regimento [do STF] não permitindo a insensatez dos cidadãos brasileiros esperarem por longos 13 anos", destacou Carlos Ortiz, presidente do Sindnapi

Motivo de ação na Corte Interamericana de Direitos, ligada à Organização dos Estados Americanos, é o adiamento pelo STF em julgar o processo pela revisão das cadernetas de poupança dos cidadãos que possuíam dinheiro no fundo entre 1986 e 1991; quatro ministros da corte se declararam impedidos, o que pode arrastar em 13 anos a espera pelo julgamento da ação; "Há que encontrar uma solução na alteração do regimento [do STF] não permitindo a insensatez dos cidadãos brasileiros esperarem por longos 13 anos", destacou Carlos Ortiz, presidente do Sindnapi
Motivo de ação na Corte Interamericana de Direitos, ligada à Organização dos Estados Americanos, é o adiamento pelo STF em julgar o processo pela revisão das cadernetas de poupança dos cidadãos que possuíam dinheiro no fundo entre 1986 e 1991; quatro ministros da corte se declararam impedidos, o que pode arrastar em 13 anos a espera pelo julgamento da ação; "Há que encontrar uma solução na alteração do regimento [do STF] não permitindo a insensatez dos cidadãos brasileiros esperarem por longos 13 anos", destacou Carlos Ortiz, presidente do Sindnapi (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical denunciou, nesta segunda-feira 14, o governo federal na Corte Interamericana de Direitos - ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA) -, devido ao adiamento do Supremo Tribunal Federal em julgar o processo pela revisão das cadernetas de poupança dos cidadãos que possuíam dinheiro no fundo entre 1986 e 1991.

As ações de revisão de poupança são oriundas da implantação de planos econômicos, entre as décadas de 80 e 90, quando o governo não corrigiu adequadamente os valores depositados nas contas, lesando assim, milhares de cidadãos que possuíam dinheiro no fundo de rendimentos.

No Brasil, devido aos recursos das partes contrárias, que envolvem os bancos e o governo federal, as ações chegaram ao STF, a mais alta instância do poder judiciário brasileiro. O problema se dá porque o novo ministro do Supremo, Edson Fachin, considera-se impedido em julgar o caso. Fachin soma-se à mesma situação de outros três ministros, que alegam não poder julgar o processo. Com isso, a ação só poderá ter um julgamento final daqui a 13 anos, ou mais, quando um ministro se aposentar.

Segundo o regimento interno do STF, é necessário um mínimo de oito ministros para analisar as ações. "Há uma questão ética envolvendo o caso e também o cumprimento do regimento interno do STF. No entanto, há que encontrar uma solução na alteração do regimento não permitindo a insensatez dos cidadãos brasileiros esperarem por longos 13 anos", destacou Carlos Ortiz, presidente do Sindnapi.

Existem 973 mil ações de revisão da caderneta de poupança na Justiça e o adiamento só beneficiaria os bancos privados e o governo. "É inconcebível o STF colocar o caso em meio a uma situação que cria um entrave para a decisão", destacou João Inocentini, presidente licenciado do Sindicato Nacional dos Aposentados.

Para Tônia Galleti, coordenadora do Departamento Jurídico do Sindicato Nacional dos Aposentados e autora da ação, "chega a ser desumano a Justiça protelar por mais 13 anos uma decisão. Considerando que grande parte das ações referem-se a pessoas idosos nos dá margem a pensar que atitudes como essa se beneficiam até mesmo da mortalidade dos beneficiários", destacou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247