Sob fortes acusações Moro vai ao Senado tentar esvaziar convocação de CPI

Ocorre nesta quarta-feira (19) o acontecimento mais esperado da semana: a ida do ex-juiz, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro ao Senado para depor sobre as ilegalidades que cometeu à frente da Operação Lava Jato

Ministro Sergio Moro
Ministro Sergio Moro (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Politicamente fragilizado sob a denúncia de que manipulou o processo para incriminar o ex-presidente Lula e proteger aliados, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Moro terá que se explicar aos senadores em ambiente desfavorável para ele.  

A audiência deve começar às 9h, no plenário da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).  Segundo apurou reportagem dos jornalistas Camila Mattoso e Daniel Carvalho da Folha de S. Paulo, Moro tentará atacar a "ação de hackers e dizer que não tem como confirmar o conteúdo das mensagens divulgadas pelo site The Intercept". Vai tentar sair pela tangente para não responder o essencial: as ilegalidades que cometeu.  

A situação de Moro se complica ainda mais pela revelação na véspera de sua ida ao Senado de conversas em que revela a preocupação de "não melindrar" um aliado, o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso.   

A reportagem destaca a fragilidade política de Moro não só perante o Congresso como dentro do próprio governo, onde é visto com desconfiança até pelo presidente Jair Bolsonaro.   No Congresso o ambiente é propício à convocação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar as conversas com Deltan.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247