Stedile: ‘governo Temer acabou. Não tem sustentação empresarial nem da Globo’

O coordenador nacional do MST, João Pedro Stedile, teceu duras críticas a Michel Temer, alvo de uma delação bombástica da JBS, que o apontou como beneficiário de propinas milionárias e que deu aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ); "Para Stédile, o governo Temer "acabou, porque não tem nem sustentação empresarial nem da Rede Globo, que agora não sabe como se librar dele"; "Ou o seu Temer renuncia ou o STF cassa o mandato dele ou o Congresso cassa o mandato", afirmou ele, que defendeu eleições diretas para que o "poder institucional seja devolvido ao povo"  

21/08/2015 - PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - entrevista com João Pedro Stédile e congresso da CUT. Foto: Guilherme Santos/Sul21
21/08/2015 - PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - entrevista com João Pedro Stédile e congresso da CUT. Foto: Guilherme Santos/Sul21 (Foto: Leonardo Lucena)

247 - O coordenador nacional do MST, João Pedro Stedile, teceu duras críticas a Michel Temer, alvo de uma delação bombástica da JBS, que o apontou como beneficiário de propinas milionárias e que deu aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"A burguesia deu um golpe e tomou as rédeas do governo federal. Mas acho que Deus existe. As podridões do governo golpista vieram a público. Rompeu a unidade que burguesia tinha em torno deste governo", disse.

Para Stedile, o governo Temer "acabou, porque não tem nem sustentação empresarial nem da Rede Globo, que agora não sabe como se librar dele". "Ou o seu Temer renuncia ou o STF cassa o mandato dele ou o Congresso cassa o mandato", afirmou.

"A nossa tarefa agora é ir para as ruas. Esperamos um acampamento ao redor do STF para pressioná-lo. Nossa obrigação é irmos para as ruas pressionar para que o poder institucional seja devolvido ao povo, com eleições diretas para presidente". 

 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247