Stedile: movimentos estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos

Na Venezuela, o dirigente nacional do MST, João Pedro Stedile, afirmou que os exércitos do Brasil e da Colômbia não vão fazer nada contra o país, porque não há motivo para isso; disse ainda que os movimentos sociais do Brasil e da Colômbia estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos; “Precisamos vencer para poder avançar com a conquista de outros países para projetos populares”, disse

Stedile: movimentos estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos
Stedile: movimentos estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos (Foto: Valter Campanato - ABR)

Revista Fórum - Na Venezuela, o dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e articulador da Via Campesina Internacional, João Pedro Stedile, afirmou que os exércitos do Brasil e da Colômbia não vão fazer nada contra o país, porque não há motivo para isso. Disse ainda que os movimentos sociais do Brasil e da Colômbia estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos. Stedile participa da Assembleia Internacional dos Povos (AIP), que acontece entre os dias 24 e 27 de fevereiro, em Caracas, e reúne delegações de 85 países.

Neste domingo (24), Stedile também comparou o que está acontecendo na Venezuela com “uma batalha da importância da Guerra Civil Espanhola”. Na ocasião, de um lado estava a Frente Popular, que reunia setores de esquerda, e do outro, a Falange Espanhola Tradicionalista, de direita, liderada pelo general Francisco Franco para derrubar o presidente de centro-esquerda Manuel Azaña. O conflito durou de 1936 a 1939. “Precisamos vencer para poder avançar com a conquista de outros países para projetos populares”, disse.

Leia a íntegra do texto

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247