STF adia julgamento de liberdade de Odebrecht

Decisão do Supremo pelo adiamento foi tomada porque nem todos os ministros estavam presentes à sessão da 2ª Turma da Corte nesta terça-feira 15; Marcelo Odebrecht, presidente afastado da construtora Odebrecht, foi preso em um dos desdobramentos da Operação Lava Jato em junho do ano passado e condenado a uma pena de 19,4 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa

Decisão do Supremo pelo adiamento foi tomada porque nem todos os ministros estavam presentes à sessão da 2ª Turma da Corte nesta terça-feira 15; Marcelo Odebrecht, presidente afastado da construtora Odebrecht, foi preso em um dos desdobramentos da Operação Lava Jato em junho do ano passado e condenado a uma pena de 19,4 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa
Decisão do Supremo pelo adiamento foi tomada porque nem todos os ministros estavam presentes à sessão da 2ª Turma da Corte nesta terça-feira 15; Marcelo Odebrecht, presidente afastado da construtora Odebrecht, foi preso em um dos desdobramentos da Operação Lava Jato em junho do ano passado e condenado a uma pena de 19,4 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento sobre o pedido de liberdade do empreiteiro e ex-presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht. Decisão pelo adiamento foi tomada porque nem todos os ministros estavam presentes à sessão da 2ª Turma da Corte nesta terça-feira (15).

Marcelo Odebrecht foi preso em um dos desdobramentos da Operação Lava Jato em junho do ano passado. Na semana passada, ele foi condenado a uma pena de 19,4 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

O STF também adiou a análise de recursos de dois habeas corpus de outros ex-dirigentes da Odebrecht.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247