STF notifica ministro da Saúde a explicar fala de que médicos fingem trabalhar

O ministro Ricardo Lewandowski determinou a notificação do ministro da Saúde, Ricardo Barros, para que explique uma declaração dada por ele em evento oficial no Palácio do Planalto em julho, quando disse: "Vamos parar de fingir que pagamos o médico e o médico vai parar de fingir que trabalha"; ação foi ingressada no Supremo pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul ingressou

O ministro Ricardo Lewandowski determinou a notificação do ministro da Saúde, Ricardo Barros, para que explique uma declaração dada por ele em evento oficial no Palácio do Planalto em julho, quando disse: "Vamos parar de fingir que pagamos o médico e o médico vai parar de fingir que trabalha"; ação foi ingressada no Supremo pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul ingressou
O ministro Ricardo Lewandowski determinou a notificação do ministro da Saúde, Ricardo Barros, para que explique uma declaração dada por ele em evento oficial no Palácio do Planalto em julho, quando disse: "Vamos parar de fingir que pagamos o médico e o médico vai parar de fingir que trabalha"; ação foi ingressada no Supremo pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul ingressou (Foto: Gisele Federicce)

Felipe Pontes - Repórter da Agência Brasil

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a notificação do ministro da Saúde, Ricardo Barros, para que explique uma declaração dada por ele em evento oficial no Palácio do Planalto em julho, quando disse: "Vamos parar de fingir que pagamos o médico e o médico vai parar de fingir que trabalha".

A declaração de Barros foi dada no contexto da implantação pelo governo federal, prometida por ele para até o fim deste ano, de sistemas de biometria em unidades básicas de saúde, com o objetivo de acompanhar eletronicamente os atendimentos aos pacientes e a frequência dos médicos.

Poucos dias após a fala, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul ingressou com um processo para que o STF interpelasse judicialmente o ministro a se explicar, por entender que Barros havia ofendido toda a categoria. A medida é etapa anterior à possível abertura de uma ação penal por injúria. O ministro não é obrigado a responder.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247