Substituta de Moro tem pressa para condenar Lula

A juíza substituta de Sérgio Moro, Gabriela Hardt, tem pressa para condenar o ex-presidente Lula; é o que mostra as movimentações em torno do processo do sítio de Atibaia, que seria herdado naturalmente pelo próximo juiz da 13ª Vara de Curitiba quando devidamente aprovado em concurso público; a mesa da juíza está tomada pelos processos da Lava Jato que têm Lula como alvo principal

Substituta de Moro tem pressa para condenar Lula
Substituta de Moro tem pressa para condenar Lula (Foto: Reprodução vídeo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A juíza substituta de Sérgio Moro, Gabriela Hardt, tem pressa para condenar o ex-presidente Lula. É o que mostra as movimentações em torno do processo do sítio de Atibaia, que seria herdado naturalmente pelo próximo juiz da 13ª Vara de Curitiba quando devidamente aprovado em concurso público. A mesa da juíza está tomada pelos processos da Lava Jato que têm Lula como alvo principal.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que "em caso de condenações, os dois processos que podem, segundo investigadores e advogados, triplicar a pena de prisão de Lula são o da compra de um terreno para o Instituto Lula em São Paulo e de um apartamento em São Bernardo do Campo e o do sítio em Atibaia (SP). Em ambos, o petista é acusado de receber propina de empreiteiras por meio dos imóveis em troca de contratos da Petrobrás."

E acrescenta: "o caso do terreno deve ser o primeiro a ser julgado. Está concluído para sentença desde 12 de dezembro. A ação do sítio chegou para a juíza substituta na semana passada. Os processos podem ser julgados de Hardt ou pelo magistrado que ocupará a vaga de titular deixada por Moro. Investigadores da Lava Jato e advogados que atuam nos processos consideram o acervo de provas dessas ações mais robusto que o da primeira sentença, em que Lula foi condenado por Moro em julho de 2017, no caso do triplex do Guarujá (SP). O então juiz sentenciou o ex-presidente a 9 anos e 6 meses de prisão – posteriormente, a pena foi aumentada na segunda instância para 12 anos e 1 mês."

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247