Sudeste será região mais afetada por devastação da Amazônia, diz órgão da ONU

O professor Humberto Barbosa, doutor em ciências do solo e sensoriamento remoto pela Universidade do Arizona, afirma que o mundo está observando os posicionamentos do Brasil com relação ao meio ambiente e alerta que o Sudeste brasileiro será a região mais afetada caso avance o desmatamento na Amazônia.

Foto: Araquém Alcântara
Foto: Araquém Alcântara
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O professor Humberto Barbosa, doutor em ciências do solo e sensoriamento remoto pela Universidade do Arizona, afirma que o mundo está observando os posicionamentos do Brasil com relação ao meio ambiente e alerta que o Sudeste brasileiro será a região mais afetada caso avance o desmatamento na Amazônia.

O professor diz também que o semiárido nacional é o local com maior vulnerabilidade do planeta às mudanças globais e entende que um maior investimento em ciência por parte do governo federal é codição básica para se respeitar protocolos do clima.

A reportagem do portal Uol destaca que "Barbosa liderou o capítulo 4 [do relatório produzido pelo IPCC, órgão ligado à ONU], que aborda a questão da degradação da terra, e assinou o sumário executivo do relatório. Apesar de ter outros autores brasileiros, foi a primeira vez que um brasileiro liderou um capítulo de um relatório do IPCC. O documento foi concluído e divulgado no último dia 8, após encontro de cientistas e delegados dos países em Genebra, na Suíça. Dos 195 países que compõem o painel, 52 estavam em Genebra."

A matéria ainda lembra que "o documento liderado pelo brasileiro faz parte de uma trinca de relatórios produzidos para embasar e apoiar o Acordo de Paris. O primeiro deles apontou uma alta 1,5º C no aquecimento do planeta. O segundo foi aquele do qual Barbosa participou, sobre clima e terra."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email