Tarso diz que boate Kiss não poderia funcionar

Governador do RS desautoriza comando do Corpo de Bombeiros e fala em corresponsabilidade da prefeitura de Santa Maria e outros órgãos públicos pelo incêndio, citando uma "reação em cadeia"; a pedido de Tarso, procurador-geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga, elaborou texto para uma legislação que permita ao Estado interditar estabelecimentos que estejam irregulares

Tarso diz que boate Kiss não poderia funcionar
Tarso diz que boate Kiss não poderia funcionar
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Diário de Santa Maria -O governador Tarso Genro demonstrou descontentamento com declarações dos comandos da Brigada Militar (BM) e do Corpo de Bombeiros sobre as responsabilidades pela liberação da boate Kiss, palco da tragédia que vitimou pelo menos 235 pessoas em Santa Maria.

Em entrevista a jornalistas na tarde desta terça-feira, ele falou ainda em corresponsabilidade da prefeitura da cidade e outros órgãos públicos pelo incêndio, citando uma "reação em cadeia".

— O chefe dos bombeiros não falou demais. Ele falou completamente errado. Bombeiros não autorizam o funcionamento de nada. Quem dá o alvará é a prefeitura — disparou Tarso.

Além de salientar que a danceteria não poderia estar aberta "de jeito nenhum", o governador citou uma determinação para que o local possuísse revestimento acústico. No entanto, declarou desconhecer se houve comunicação à autoridade pública da instalação do material que principiou o incêndio, após o manuseio de um sinalizador que acabou atingindo a espuma do teto da casa de festas.

Mesmo em conformidade com as normas legais de funcionamento, a boate descumpriria os termos de lotação máxima. O Corpo de Bombeiros apontou que a capacidade era de 691 pessoas, mas no dia da tragédia deveria haver mais de 1 mil clientes. Tarso disse também que recebeu informações de que "o dono formal não é o dono real" do estabelecimento.

O governador pediu ao procurador-geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga, que ajude na elaboração de um texto que sirva de base para uma legislação estadual ou municipal mais rigorosa a fim de evitar que uma tragédia como essa se repita. A intenção de Tarso é de que o Estado tenha o poder de interditar estabelecimentos que estejam irregulares.

Ele garante que os procedimentos adotados pela Brigada Militar e Corpo de Bombeiros estão sendo avaliados pelo governo estadual e podem sofrer penalidades caso o inquérito da Polícia Civil aponte deficiências.

Tarso repetiu várias vezes que o inquérito ainda não é capaz de dizer de quem foi a responsabilidade nem se os bombeiros cumpriram ou não a sua parte.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247