Temer convidou equipe da Lava Jato para assistir à votação do golpe

A inconfidência foi feita pelo procurador Carlos Fernando Lima, um dos chefes da Lava Jato; "Tenho para mim que encontros fora da agenda não são ideais para nenhuma situação de um funcionário público. Nós mesmos, no dia da votação do impeachment, fomos convidados a comparecer ao Palácio do Jaburu à noite e nos recusamos, porque entendíamos que não tínhamos nada o que falar com o eventual presidente do Brasil naquele momento", disse ele; fala de Lima embute críticas sutis à futura procuradora-geral Raquel Dodge e revela ainda que Temer, apontado como chefe do esquema de propinas da Odebrecht para o PMDB, tentou se apropriar da Lava Jato

A inconfidência foi feita pelo procurador Carlos Fernando Lima, um dos chefes da Lava Jato; "Tenho para mim que encontros fora da agenda não são ideais para nenhuma situação de um funcionário público. Nós mesmos, no dia da votação do impeachment, fomos convidados a comparecer ao Palácio do Jaburu à noite e nos recusamos, porque entendíamos que não tínhamos nada o que falar com o eventual presidente do Brasil naquele momento", disse ele; fala de Lima embute críticas sutis à futura procuradora-geral Raquel Dodge e revela ainda que Temer, apontado como chefe do esquema de propinas da Odebrecht para o PMDB, tentou se apropriar da Lava Jato
A inconfidência foi feita pelo procurador Carlos Fernando Lima, um dos chefes da Lava Jato; "Tenho para mim que encontros fora da agenda não são ideais para nenhuma situação de um funcionário público. Nós mesmos, no dia da votação do impeachment, fomos convidados a comparecer ao Palácio do Jaburu à noite e nos recusamos, porque entendíamos que não tínhamos nada o que falar com o eventual presidente do Brasil naquele momento", disse ele; fala de Lima embute críticas sutis à futura procuradora-geral Raquel Dodge e revela ainda que Temer, apontado como chefe do esquema de propinas da Odebrecht para o PMDB, tentou se apropriar da Lava Jato (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Mesmo sendo um dos principais investigados da Lava Jato, apontado como chefe do esquema de propinas da Odebrecht destinado ao PMDB, Michel Temer convidou a equipe da Lava Jato a acompanhar, em pleno Palácio do Jaburu, a votação do golpe parlamentar de 2016, que o levou ao poder.

A inconfidência foi feita pelo procurador Carlos Fernando Lima, em evento organizado pela Câmara Americana de Comércio, em São Paulo, nesta segunda-feira (14).

"Tenho para mim que encontros fora da agenda não são ideais para nenhuma situação de um funcionário público. Nós mesmos, no dia da votação do impeachment, fomos convidados a comparecer ao Palácio do Jaburu à noite e nos recusamos, porque entendíamos que não tínhamos nada o que falar com o eventual presidente do Brasil naquele momento", disse ele, ao comentar o encontro fora da agenda entre Raquel Dodge e o agora presidente Michel Temer na residência oficial.

Fala de Lima embute críticas sutis à futura procuradora-geral Raquel Dodge, que se reuniu com Temer, no Jaburu. "Eu não sou corregedor do MP. Nós tivemos situação semelhante e nos recusamos a comparecer. Temos agora que avaliar as consequências que dentro da política que o Ministério Público vai ter a partir da gestão Dodge", acrescentou.

Saiba mais na reportagem de Mirthyani Bezerra, publicada no Uol.

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247