Temer pediu a Joesley que contratasse Yunes por R$ 50 milhões

Empresário Joesley Batista fez mais uma acusação contra Michel Temer em depoimento à Polícia Federal; segundo o dono da JBS, Temer tentou colocar seu melhor amigo e ex-assessor no Planalto, o advogado José Yunes, para defender o grupo J&F em uma disputa judicial; a negociação renderia R$ 50 milhões ao escritório de advocacia de Yunes; o acordo, segundo afirmou Joesley em sua delação premiada, acabou não indo adiante e quem ficou responsável pela ação judicial foi Francisco de Assis, do departamento jurídico do grupo, também delator

Empresário Joesley Batista fez mais uma acusação contra Michel Temer em depoimento à Polícia Federal; segundo o dono da JBS, Temer tentou colocar seu melhor amigo e ex-assessor no Planalto, o advogado José Yunes, para defender o grupo J&F em uma disputa judicial; a negociação renderia R$ 50 milhões ao escritório de advocacia de Yunes; o acordo, segundo afirmou Joesley em sua delação premiada, acabou não indo adiante e quem ficou responsável pela ação judicial foi Francisco de Assis, do departamento jurídico do grupo, também delator
Empresário Joesley Batista fez mais uma acusação contra Michel Temer em depoimento à Polícia Federal; segundo o dono da JBS, Temer tentou colocar seu melhor amigo e ex-assessor no Planalto, o advogado José Yunes, para defender o grupo J&F em uma disputa judicial; a negociação renderia R$ 50 milhões ao escritório de advocacia de Yunes; o acordo, segundo afirmou Joesley em sua delação premiada, acabou não indo adiante e quem ficou responsável pela ação judicial foi Francisco de Assis, do departamento jurídico do grupo, também delator (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O empresário Joesley Batista fez, em sua delação premiada no âmbito da Lava Jato, uma nova acusação contra Michel Temer.

Em depoimento à Polícia Federal, Joesley contou que Temer tentou colocar seu melhor amigo e ex-assessor no Planalto, o advogado José Yunes, para defender o grupo J&F em uma disputa judicial, segundo reportagem da Folha.

A negociação renderia R$ 50 milhões ao escritório de advocacia de Yunes. Segundo Joesley, porém, o acordo judicial acabou não indo adiante e quem ficou responsável pela ação judicial foi Francisco de Assis, do departamento jurídico do grupo, também delator.

Yunes já foi citado em delação da Odebrecht como destinatário de R$ 4 milhões em propina que passaram por seu escritório em São Paulo. O dinheiro era parte de R$ 10 milhões pedidos por Temer a Marcelo Odebrecht para financiamento de campanha.

À época, o amigo de Temer disse ter recebido um "pacote" do ministro da Casa Civil e afirmou ter sido "mula" de Padilha. Segundo a Folha, o nome de Yunes foi retirado da delação da JBS a pedido do lobista da empresa, Ricardo Saud, conforme visto em uma ligação telefônica interceptada pela PF.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247