Temer quer angariar dividendos eleitorais, dizem Manuela D´Ávila e Luciana Santos

A deputada estadual pelo Rio Grande do Sul e presidenciável pelo PCdoB, Manuela D´Ávila, e a deputada federal Luciana Santos (PE), do mesmo partido, assinaram uma nota criticando o decreto de Michel Temer que prevê a intervenção na segurança pública do estado do Rio; de acordo com o texto, Temer "busca se aproveitar de uma grave situação – como o colapso da segurança pública – para angariar dividendos eleitorais e, ao mesmo tempo, retirar do foco a derrota que sofreria com a reforma da Previdência". "Não há cortina de fumaça que esconda o repúdio da população à agenda ultraliberal do governo"

A deputada estadual pelo Rio Grande do Sul e presidenciável pelo PCdoB, Manuela D´Ávila, e a deputada federal Luciana Santos (PE), do mesmo partido, assinaram uma nota criticando o decreto de Michel Temer que prevê a intervenção na segurança pública do estado do Rio; de acordo com o texto, Temer "busca se aproveitar de uma grave situação – como o colapso da segurança pública – para angariar dividendos eleitorais e, ao mesmo tempo, retirar do foco a derrota que sofreria com a reforma da Previdência". "Não há cortina de fumaça que esconda o repúdio da população à agenda ultraliberal do governo"
A deputada estadual pelo Rio Grande do Sul e presidenciável pelo PCdoB, Manuela D´Ávila, e a deputada federal Luciana Santos (PE), do mesmo partido, assinaram uma nota criticando o decreto de Michel Temer que prevê a intervenção na segurança pública do estado do Rio; de acordo com o texto, Temer "busca se aproveitar de uma grave situação – como o colapso da segurança pública – para angariar dividendos eleitorais e, ao mesmo tempo, retirar do foco a derrota que sofreria com a reforma da Previdência". "Não há cortina de fumaça que esconda o repúdio da população à agenda ultraliberal do governo" (Foto: Leonardo Lucena)

247 - A deputada estadual pelo Rio Grande do Sul e presidenciável pelo PCdoB, Manuela D´Ávila, e a deputada federal Luciana Santos (PE), do mesmo partido, assinaram uma nota criticando o decreto de Michel Temer que prevê a intervenção federal na segurança pública do estado do Rio de Janeiro.

De acordo com o texto, Temer "busca se aproveitar de uma grave situação – como o colapso da segurança pública – para angariar dividendos eleitorais e, ao mesmo tempo, retirar do foco a derrota que sofreria com a reforma da Previdência". "Não há cortina de fumaça que esconda o repúdio da população à agenda ultraliberal do governo. É hora de debater alternativas – o Brasil precisa de um pacto pelo desenvolvimento e a paz. Temos propostas e queremos debater com toda a sociedade, em um debate democrático, de alta intensidade. Acreditamos no Brasil e na sua gente", diz.

Segundo a nota, "é necessária uma completa reestruturação da política de Segurança Pública. Nossa pré-candidatura propõe para o debate a criação de um fundo nacional de segurança pública, o reaparelhamento tecnológico e de gestão das polícias, a adoção de piso salarial nacional para os policiais militares, a criação de uma autoridade nacional específica para esta gestão, a criação de uma nova política de combate às drogas e implantação de uma ouvidoria pública".

"É necessária a prevenção, articulada com a coerção qualificada. Toda essa política deve ser discutida e pactuada com os governadores e prefeitos de grandes cidades e precisa ser fruto de um debate com a sociedade civil e os especialistas".

Leia a íntegra da nota:

1. A crise do Estado do Rio de Janeiro, com expressão especialmente dramática na segurança pública, é um problema de todo o país. O Brasil precisa estar atento à situação do Rio e ser parceiro do Estado na construção de saídas para a atual crise.

2. A situação dramática vivida no Rio não é exceção. Existem outras unidades da Federação nas quais a crise econômica, agravada pela política de recuperação fiscal promovida pelo Governo Federal, o desemprego e outras consequências desastrosas do governo Temer, tem levado a situações também muito difíceis, que podem se agravar.

3. Atividade precípua das Forças Armadas não está relacionada ao policiamento, mas à defesa nacional. O seu uso indiscriminado, de forma crescente pelo governo federal, é indesejável e perigoso. A opção por uma intervenção baseada nas Forças Armadas não é o melhor caminho, conforme pronunciamentos feitos, inclusive, por autoridades militares.

4. Não há saída para uma crise de tal monta por meio de um gesto único ou de força; é necessária uma completa reestruturação da política de Segurança Pública. Nossa pré-candidatura propõe para o debate a criação de um fundo nacional de segurança pública, o reaparelhamento tecnológico e de gestão das polícias, a adoção de piso salarial nacional para os policiais militares, a criação de uma autoridade nacional específica para esta gestão, a criação de uma nova política de combate às drogas e implantação de uma ouvidoria pública. É necessária a prevenção, articulada com a coerção qualificada. Toda essa política deve ser discutida e pactuada com os governadores e prefeitos de grandes cidades e precisa ser fruto de um debate com a sociedade civil e os especialistas.

5. Existe grande responsabilidade dos governos neoliberais na crise em curso. O abandono dos investimentos públicos, os cortes orçamentários, a ausência de políticas de crescimento econômico – problema que impacta fortemente na arrecadação – tudo isso contribui para o agravamento da situação. A aplicação da PEC 95, que congela investimentos por vinte anos, tende a piorar dramaticamente o quadro.

6. Estamos a oito meses das mais importantes eleições da história recente do país. O governo Temer busca se aproveitar de uma grave situação – como o colapso da segurança pública – para angariar dividendos eleitorais e, ao mesmo tempo, retirar do foco a derrota que sofreria com a reforma da previdência. Não há cortina de fumaça que esconda o repúdio da população à agenda ultraliberal do governo. É hora de debater alternativas – o Brasil precisa de um pacto pelo desenvolvimento e a paz. Temos propostas e queremos debater com toda a sociedade, em um debate democrático, de alta intensidade. Acreditamos no Brasil e na sua gente.

São Paulo, 16 de fevereiro de 2018

Luciana Santos, presidenta nacional do PCdoB

Manuela D´Ávila, deputada estadual pelo PCdoB no Rio Grande do Sul e pré-candidata à Presidência da República

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247