Temer recebe centrais sindicais. CUT e CSB avisam que não vão

Michel Temer recebe nesta quinta-feira (20) algumas centrais sindicais para discutir "ajustes" à reforma trabalhista sancionada na semana passada; no início da semana, o presidente da CUT, Vagner Freitas, divulgou nota afirmando que não estaria presente, porque a central não negociaria "uma reforma nefasta como essa para manter um imposto que combatemos desde nossa fundação"; são esperadas as presenças da Força Sindical, UGT e CTB

Presidente da CUT, Vagner Freitas, fala com a imprensa após reunião no Planalto sobre a greve dos servidores
Presidente da CUT, Vagner Freitas, fala com a imprensa após reunião no Planalto sobre a greve dos servidores (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Rede Brasil Atual - O presidente Michel Temer recebe nesta quinta-feira (20) algumas centrais sindicais para discutir "ajustes" à reforma trabalhista sancionada na última quinta-feira (13), como Lei 13.467. Nem todas participarão da audiência, marcada para as 14h, no Palácio do Planalto. A CUT e a CSB já avisaram que não mandarão representantes. São esperadas as presenças da Força Sindical, UGT e CTB. A Nova Central ainda não está confirmada.

No início desta semana, o presidente da CUT, Vagner Freitas, divulgou nota afirmando que não estaria presente, porque a central não negociaria "uma reforma nefasta como essa para manter um imposto que combatemos desde nossa fundação", referindo-se à contribuição sindical. Com a lei, o imposto deixa de ser obrigatório e passa a ser opcional. Centrais discutem medidas alternativas de sustentação das atividades sindicais.

Para Vagner, a contribuição tem de acabar, mas o atual governo não tem legitimidade para encaminhar esse debate. "Nós defendemos a substituição do imposto por uma contribuição negocial, aprovada pelos trabalhadores em assembleia, com piso e teto definidos e que, para existir, tenha transparência nas contas, com realização de assembleias de prestação de contas, previsão orçamentária e que os trabalhadores tenham acesso total às contas da entidade, mas isso não pode ser parte do golpe de Estado que destituiu uma presidenta legitimamente eleita."

Em nota, o presidente da CSB, Antonio Neto, diz que "o governo federal patrocinou o maior desmantelamento da estrutura de proteção aos direitos trabalhistas da história", desestruturando e enfraquecendo a negociação coletiva. Segundo ele, isso "jogará o país num processo de instabilidade jurídica e de criação de passivos trabalhistas gigantescos".

Ele também descrê da negociação com o governo em torno de uma medida provisória para "corrigir" pontos da lei. "Visa, exclusivamente, sanar as lacunas restantes para ampliar a exploração e a implementação imediata da supressão dos direitos trabalhistas, atendendo apenas ao patronato que não ficou satisfeito com a redução dos direitos implantada pela Lei 13.467", afirma Neto, que recentemente anunciou sua desfiliação do PMDB, partido de Temer. "Cabe salientar que nenhuma das negociações ou compromissos firmados com o governo foram cumpridos, algo que se tornou corriqueiro com relação ao Executivo, tornando, portanto, inócuo qualquer diálogo com os atores envolvidos."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247