CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tijolaço: Briga Salles x Ramos é a cara de um governo que não tem o que fazer

"Passador de boiada ou maria fofoca são nome macios demais para quem jamais poderia estar ditando políticas públicas", diz o jornalista Fernando Brito

Ricardo Salles e Luiz Eduardo Ramos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço – Queimadas devastam o Pantanal e a Amazônia; as agendas (sejam lá quais forem) do Governo estão empacadas no Congresso e tudo é adiado por falta de consenso e articulação política, o país (não) se prepara para a segunda onda da pandemia e vive a expectativa de que dezenas de milhões de famílias vão perder, sem terem empregos que as sustente, o auxílio emergencial com o qual sobrevivem e qual é a questão política que está nas manchetes?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ah, sim, a “briga” entre o ministro Ricardo Salles (em tese, do Meio Ambiente) e o general Luiz Carlos Ramos, ministro da Secretaria de Governo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dela, sabe-se menos dos motivos – que seriam as bravatas de Salles dizendo que iria suspender as ações do Ibama por falta de verbas, o que, por sua vez, seria “boicote dos militares” – e mais das intrigas, como a grosseria de chamar-se o general de “maria fofoca”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

Fica-se sabendo que Salles, por sua estupidez, é um dos favoritos do que chamam de “ala ideológica” do governo, que seriam olavistas, duduístas e carluxistas. Talvez porque preencha os requisitos de obstusidade e agressividade necessários ao rebanho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agora, o Legislativo em peso – Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre e os líderes do “Centrão”- sai em defesa de Ramos, de quem dizem ser um bom articulador, o que deve ser lido como um bom “liberador” de emendas parlamentares.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Seria um caso deprimente se não estivéssemos à beira de entrar numa voragem, talvez mesmo antes da virada do ano. É, entretanto, pior: o retrato de um governo que não tem o que fazer, senão arrastar seu medíocre dia a dia de uma política de costumes reacionária, uma milicianização das Forças Armadas e, na economia, uma caçada impiedosa aos direitos sociais e a aniquilação final de nosso patrimônio e de nossa natureza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Passador de boiada ou maria fofoca são nome macios demais para quem jamais poderia estar ditando políticas públicas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE