Tijolaço: Fux suspende processos de Bolsonaro que ele próprio não fez andar

"Fux, portanto, já tinha feito pelo pai o que, há um mês, fez pelo filho: parar processos. Especialidade cada vez mais característica dele, como aconteceu com o auxílio-moradia, suspenso apenas depois de ser pago por quatro anos aos juízes e promotores", avalia o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "Ao matar no peito os processos de Bolsonaro, o ministro que achava que uma simples entrevista de Lula poderia abalar as eleições mostrou que, para Bolsonaro, até um simples interrogatório poderia ser prejudicial ao candidato"

Tijolaço: Fux suspende processos de Bolsonaro que ele próprio não fez andar
Tijolaço: Fux suspende processos de Bolsonaro que ele próprio não fez andar
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Segundo episódio de “câmera lenta” do dia.

O ministro Luís Fux suspendeu dois processos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal contra Jair Bolsonaro, que dizem respeito suas agressões à deputada Maria do Rosário (PT-RS), sobre quem disse que não merecia ser estuprada, porque era “muito feia”.

Juridicamente, correto, por está na Constituição que o Presidente da República não pode ser processado por atos estranhos ao seu mandato, enquanto ele durar.

Mas a notícia, lá em O Globo, está lá pelo quinto parágrafo:

Os dois processos poderiam ter tido desfecho diferente. Em 1º de fevereiro de 2018, no primeiro dia dos trabalhos do STF no ano, Fux, que é o relator das duas ações penais de Bolsonaro, disse que a Primeira Turma da Corte deveria julgar os processo nos meses seguintes. Depois disso, porém, ele autorizou o adiamento de alguns depoimentos nos processos, não marcou o interrogatório de Bolsonaro e nunca os levou a julgamento. Com a posse dele e a suspensão agora dos processos, o depoimento dele deverá demorar para ocorrer.

Fux, portanto, já tinha feito pelo pai o que, há um mês, fez pelo filho: parar processos. Especialidade cada vez mais característica dele, como aconteceu com o auxílio-moradia, suspenso apenas depois de ser pago por quatro anos aos juízes e promotores.

Ao matar no peito os processos de Bolsonaro, o ministro que achava que uma simples entrevista de Lula poderia abalar as eleições mostrou que, para Bolsonaro, até um simples interrogatório poderia ser prejudicial ao candidato.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247