Toffoli e Fachin descartam liberação automática de presos e dizem que Congresso poderá mudar

O presidente do STF, Dias Toffoli, e o relator da Lava Jato na Corte, ministro Luiz Edson Fachin, disseram que a decisão que derrubou a prisão após condenação em segunda instância não implica na liberação automática de presos e que caberá ao Congresso Nacional mudar o entendimento

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e o relator da Lava Jato na Corte, ministro Luiz Edson Fachin, disseram que a decisão que derrubou a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância não implica na liberação automática de presos que possam ser beneficiados pela medida. Segundo Toffoli, o Congresso Nacional poderá mudar o entendimento e definir se a prisão poderá ser feita ainda na segunda istância. 

"Nenhuma liberação automática de quem quer que esteja preso por condenado em confirmação de segunda instância. A consequência que tem é que retira-se o fundamento que até agora era majoritário e a partir de agora os juízes decretarão ou não as prisões cautelares", disse Fachin. De acordo com dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) cerca de 5 mil presos poderão ser beneficiados pela decisão do STF. 

Pelo entendimento da Corte, os juízes serão responsáveis por analisar cada caso individualmente e então decidir sobre os apenados que poderão ser beneficiados. Ainda segundo Fachin, o combate à corrupção não será prejudicado com a decisão. 

Toffoli, que dei o voto decisivo pelo entendimento de que os condenados só podem ser presos após esgotadas todas as possibilidades de recursos, o chamado trânsito em julgado, ressaltou que o Congresso nacional tem competência para alterar as normas do Código de Processo Penal e, desta forma, alterar o momento em que a prisão poderá ser efetuada. 

"Deixei claro no meu voto, que foi o último voto, que o Parlamento pode alterar esse dispositivo, essa é a posição. O Parlamento tem autonomia para dizer esse momento de eventual prisão em razão de condenação", disse Toffoli. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247