TRF-4 manda ação de Paulo Preto para SP por falta de conexão com Petrobras, mas manteve a do Lula

O relator da Lava Jato no tribunal, o desembargador João Pedro Gebran Neto, aceitou o pedido da defesa e remeteu o processo à Justiça Federal de São Paulo no processo que Paulo Preto, apontado como operador financeiro do PSDB, é acusado de lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça em ações da Odebrecht e do Grupo UTC. No caso de Lula, o tribunal recuou o pedido

Paulo Vieira de Souza repassou R$ 740 mil a integrantes do PCC
Paulo Vieira de Souza repassou R$ 740 mil a integrantes do PCC (Foto: Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Conjur - Por falta de conexão com a Petrobras, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região tirou a competência da Justiça Federal do Paraná para julgar uma ação contra Paulo Preto, ex-diretor da Dersa, estatal paulista na construção de rodovias. A falata de conexão também foi um fato apontado pela defesa do ex-presidente Lula no caso do apartamento no Guarujá, mas ele não recebeu o mesmo tratamento. 

O relator da Lava Jato no tribunal, o desembargador João Pedro Gebran Neto, aceitou o pedido da defesa e remeteu o processo à Justiça Federal de São Paulo no processo que Paulo Preto é acusado de lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça em ações da Odebrecht e do Grupo UTC. 

Segundo reportagem do Conjur, Gebran considerou que o Ministério Público Federal "não faz qualquer relação direta entre as supostas condutas de lavagem de dinheiro com o pagamento de agentes da Petrobras, o que seria necessário para justificar a conexão com os demais feitos da operação e a competência da 13ª Vara Federal de Curitiba".

O desembargador afirmou que os procuradores deveriam ter apontado objetivamente os contratos que Paulo Preto fez. Para definir a competência do juízo originário e que "não basta que o órgão ministerial diga que os recursos financeiros objeto dos delitos de lavagem eram provenientes dos crimes praticados contra a Petrobras ou que as quantias em espécie seriam disponibilizadas para os agentes públicos de tal Estatal".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247