Trump diz que mortes pelo covid no Brasil estão "muito altas"

"O Brasil está muito alto[número de mortes]. Se você olhar o que está acontecendo graficamente, é muito, muito alto, é quase vertical", disse Trump

Trump trata Brasil como cobaia e estimula Bolsonaro a prosseguir com discurso da cloroquina
Trump trata Brasil como cobaia e estimula Bolsonaro a prosseguir com discurso da cloroquina (Foto: REUTERS/Carlos Barria)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Enquanto Jair Bolsonaro despreza o número de mortes pela pandemia e diz "e daí?", o seu aliado Donald Trump, presidente dos EUA, não ignorou o crescimento do número de mortes e contágio pela coronavírus no Brasil.

Um dia depois do país superar a China em número de mortes, Trump reconheceu que está "muito alto" os registros da pandemia e em trajetória vertical.

"Você compara as mortes na Suécia com a Dinamarca, Finlândia e Noruega. Você sabe, eu odeio ter que dizer isso, mas as mortes estão substancialmente muito altas na Suécia (...). No Brasil está muito alto. Se você olhar o que está acontecendo graficamente, é muito, muito alto, é quase vertical, não é Debora (Birx)? Muito vertical", disse Trump, que usou a expressão "straight up", que significa "direto" ou "em linha reta", o que sugere que ele se refere a uma trajetória vertical no número de mortes do País.

"O presidente do Brasil é um amigo meu, um bom homem, mas eles estão tendo um momento difícil, estão indo por (imunidade de) rebanho, a Suécia está indo por rebanho. Quando dizem rebanho, na Suécia em particular, você pode ir aos bares, a certos lugares, muita gente diz que o primeiro-ministro não precisa dizer 'fique nos seus apartamentos', as pessoas estão ficando, não estão saindo (...) mas o número de mortes é enorme na Suécia, comparado aos países ao redor que fizeram paralisações fortes. É uma grande diferença", acrescentou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247