Usar Exército contra grevistas é apagar fogo com gasolina, dizem centrais

As seis maiores centrais sindicais do País divulgaram nesta sexta-feira, 25, nota conjunta em que condenam a decisão do governo de Michel Temer de utilizar o Exército contra a greve dos caminhoneiros, que paralisa o País pelo quinto dia; "A proposta do governo, de convocar as Forças Armadas como instrumento de repressão, é querer apagar fogo com gasolina, ou seja: só vai acirrar o conflito e dificultar uma solução equilibrada", diz a nota assinada pelos dirigentes da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB

As seis maiores centrais sindicais do País divulgaram nesta sexta-feira, 25, nota conjunta em que condenam a decisão do governo de Michel Temer de utilizar o Exército contra a greve dos caminhoneiros, que paralisa o País pelo quinto dia; "A proposta do governo, de convocar as Forças Armadas como instrumento de repressão, é querer apagar fogo com gasolina, ou seja: só vai acirrar o conflito e dificultar uma solução equilibrada", diz a nota assinada pelos dirigentes da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB
As seis maiores centrais sindicais do País divulgaram nesta sexta-feira, 25, nota conjunta em que condenam a decisão do governo de Michel Temer de utilizar o Exército contra a greve dos caminhoneiros, que paralisa o País pelo quinto dia; "A proposta do governo, de convocar as Forças Armadas como instrumento de repressão, é querer apagar fogo com gasolina, ou seja: só vai acirrar o conflito e dificultar uma solução equilibrada", diz a nota assinada pelos dirigentes da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As seis maiores centrais sindicais do País divulgaram nesta sexta-feira, 25, nota conjunta em que condenam a decisão do governo de Michel Temer de utilizar o Exército para desobstruir as rodovias que estão ocupadas pela greve dos caminhoneiros, que paralisa o País pelo quinto dia.

"A proposta do governo, de convocar as Forças Armadas como instrumento de repressão, é querer apagar fogo com gasolina, ou seja: só vai acirrar o conflito e dificultar uma solução equilibrada. Queremos um acordo que leve em consideração a justa reivindicação dos trabalhadores e as necessidades do País", diz a nota assinada pelos dirigentes da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB.

Leia a nota na íntegra:

Nota das Centrais Sindicais sobre a greve dos caminhoneiros

As Centrais Sindicais, neste momento de impasse nas negociações entre o governo federal e os caminhoneiros, decidem se colocar à disposição como mediadoras na busca de um acordo que solucione o caos social para o qual o País caminha.

A proposta do governo, de convocar as Forças Armadas como instrumento de repressão, é querer apagar fogo com gasolina, ou seja: só vai acirrar o conflito e dificultar uma solução equilibrada.

Queremos um acordo que leve em consideração a justa reivindicação dos trabalhadores e as necessidades do País.

São Paulo, 25 de maio de 2018

Vagner Freitas
Presidente da CUT

Paulo Pereira da Silva (Paulinho da Força)
Presidente da Força Sindical

Ricardo Patah
Presidente da UGT

Adilson Araújo
Presidente da CTB

José Calixto Ramos
Presidente da Nova Central

Antonio Neto
Presidente da CSB

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247