Vanessa Grazziotin: precisamos revogar a PEC do Fim do Mundo

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) criticou o aumento na mortalidade infantil; "E com Temer e sua turma esse índice vai piorar. #EuAvisei, lutei contra e fui a única parlamentar do Amazonas que votou contra a #PECdoFimdoMundo! Precisamos revogar a emenda constitucional q limita os gastos públicos em saúde, segurança e educação"

Vanessa Grazziotin: precisamos revogar a PEC do Fim do Mundo
Vanessa Grazziotin: precisamos revogar a PEC do Fim do Mundo (Foto: Waldemir Barreto - Agência Senado)

247 - A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) criticou o governo Michel Temer por causa do aumento na mortalidade infantil. 

"E com Temer e sua turma esse índice vai piorar. #EuAvisei, lutei contra e fui a única parlamentar do Amazonas que votou contra a #PECdoFimdoMundo! Precisamos revogar a emenda constitucional q limita os gastos públicos em saúde, segurança e educação", escreveu a parlamentar no Twitter. "A Emenda Constitucional 95 (PEC do Fim do Mundo), que congelou os gastos públicos por 20 anos, já causou os primeiros danos à população", acrescentou.

O Brasil vinha reduzindo suas taxas de mortalidade infantil com índices melhores que a média mundial nos últimos 26 anos, mas teve, em 2016, o primeiro dado estatístico de retrocesso: foram 14 óbitos infantis a cada mil nascimentos, um aumento de aproximadamente 5% sobre o ano anterior. Segundo relato da Folha, o Ministério da Saúde culpa vírus zika e crise econômica.

A adoção pelo governo de Michel Temer de políticas neoliberais trará ainda maiores dificuldades para o Brasil cumprir os objetivos de desenvolvimento sustentável até 2030, propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU). A conclusão, apresentada por organizações como a Artigo 19, Rede Nossa São Paulo e o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que compõem o Programa Cidades Sustentáveis, integra o Relatório Luz 2018, divulgado na semana passada, alertando para os obstáculos que o país terá em cumprir metas sociais e ambientais.

Diante da estagnação e até do recuo da maioria dos índices na área social, as entidades fazem recomendações para que o governo possa atingir os compromissos até 2030. Entre elas, as organizações destacam a retomada de investimentos humanos e financeiros nas áreas da educação, saúde e meio ambiente, assim como a criação de estímulos para a participação social em diálogos legislativos, além da revisão da Lei do Teto.

*Com informações da Rede Brasil Atual

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247