Verdadeiros traficantes estão na Barra ou em Miami, diz ex-ministro

"Quando falam em crime organizado na favela, é uma piada, porque os organizadores não estão [ali]. Aqueles são pés de chinelo intermediários, os traficantes moram na Barra ou em Miami", diz o ex-ministro dos Direitos Humanos, Paulo Sérgio Pinheiro, que classifica a intervenção militar no Rio como oportunista e com características de apartheid contra a população negra e parda

Verdadeiros traficantes estão na Barra ou em Miami, diz ex-ministro
Verdadeiros traficantes estão na Barra ou em Miami, diz ex-ministro

247 - Ex-ministro dos Direitos Humanos, Paulo Sérgio Pinheiro, aos 74 anos, criticou duramente a intervenção militar no Rio de Janeiro. 

Nos últimos 30 anos, pelo menos, não houve grave violação ou ameaça a direito com que não tenha se batido sobre seu cavalo. Uma de suas grandes contribuições foi o Núcleo de Estudos da Violência da USP (Universidade de São Paulo), que ajudou a fundar em 1987, para produzir dados sobre violência e subsidiar políticas públicas.

Sua intervenção foi também governamental: secretário de Estado dos Direitos Humanos no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (secretaria com status de ministério) e relator dos primeiros programas nacionais de direitos humanos, marcos da consolidação da democracia no Brasil após o período de exceção da ditadura militar (1964-85).

Depois vieram posições nas principais entidades internacionais de arbitragem e paz. Hoje, especificamente, preside a comissão de inquérito da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre a guerra na Síria, desde 2011.

Natural do Rio de Janeiro, onde nasceu em 1944 e morou até 1967, Paulo Sérgio Pinheiro não esconde oposição à intervenção federal com emprego das Forças Armadas no Rio, decretada no dia 16 de fevereiro último. Para ele, é medida eleitoreira e oportunista fadada ao fracasso, com características de apartheid contra a população negra e parda.

"Quando falam em crime organizado na favela, é uma piada, porque os organizadores não estão [ali]. Aqueles são pés de chinelo intermediários, os traficantes moram na Barra ou em Miami", aponta.

As informações são de reportagem de Guilherme Azevedo no UOL.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247