Vice-presidente dos Brics: crise política 'exarcebou' situação econômica

Vice-presidente do banco dos Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o economista Paulo Nogueira Batista Júnior, afirma que a atual crise brasileira é "uma combinação de fatores econômicos e políticos, internos e externos"; para ele, no entanto, "os problemas fiscais nem de longe justificam a retórica que circula a respeito"; "Houve até comparações com a Grécia, o que é um absurdo manifesto. Mas, é claro, o dissenso político interno exacerbou de maneira grave a situação econômica e gerou crise de confiança", disse; para o economista, a crise política ameaça a democracia

Vice-presidente do banco dos Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o economista Paulo Nogueira Batista Júnior, afirma que a atual crise brasileira é "uma combinação de fatores econômicos e políticos, internos e externos"; para ele, no entanto, "os problemas fiscais nem de longe justificam a retórica que circula a respeito"; "Houve até comparações com a Grécia, o que é um absurdo manifesto. Mas, é claro, o dissenso político interno exacerbou de maneira grave a situação econômica e gerou crise de confiança", disse; para o economista, a crise política ameaça a democracia
Vice-presidente do banco dos Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o economista Paulo Nogueira Batista Júnior, afirma que a atual crise brasileira é "uma combinação de fatores econômicos e políticos, internos e externos"; para ele, no entanto, "os problemas fiscais nem de longe justificam a retórica que circula a respeito"; "Houve até comparações com a Grécia, o que é um absurdo manifesto. Mas, é claro, o dissenso político interno exacerbou de maneira grave a situação econômica e gerou crise de confiança", disse; para o economista, a crise política ameaça a democracia (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247- Vice-presidente do banco dos Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o economista Paulo Nogueira Batista Júnior, afirma que a atual crise brasileira é "uma combinação de fatores econômicos e políticos, internos e externos". Para ele, no entanto, "os problemas fiscais nem de longe justificam a retórica que circula a respeito ("tragédia" fiscal, "colapso" das contas públicas)".

"Houve até comparações com a Grécia, o que é um absurdo manifesto. Mas, é claro, o dissenso político interno exacerbou de maneira grave a situação econômica e gerou crise de confiança", disse.

Para o economista, a crise política ameaça a democracia. "Nos anos mais recentes, estamos falhando em matéria de desenvolvimento e a crise política ameaça, no meu entender, a democracia. Quando a disputa política ultrapassa certos limites, ela pode colocar em risco o respeito às regras da democracia, inclusive o respeito ao resultado de eleições", diz.

Ele defende ainda que é preciso combinar o ajuste fiscal com uma agenda de crescimento —o que deve incluir a diminuição dos juros e a ampliação do crédito. "O ajuste fiscal deve preservar os investimentos prioritários e as políticas sociais", diz.

Sobre as críticas à linha desenvolvimentista, ele declara: "Com o desenvolvimentismo dos governos Lula e Dilma se promoveu uma grande inclusão social no país, provavelmente sem precedentes. E o Brasil foi mais independente na sua política externa do que em períodos anteriores".

A entrevista na íntegra aqui.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247