Vírus da zika pode inibir avanço do câncer de próstata, diz estudo

Em teste realizado pelos pesquisadores, as células tumorais que estiveram em contato com o vírus apresentaram crescimento 50% menor do que as que não tiveram contato

Mosquito Aedes Aegypti
Mosquito Aedes Aegypti (Foto: NIAID)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vírus da zika pode conter a proliferação de células do câncer de próstata, segundo grupo de pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Os testes foram realizados in vitro e utilizando um tipo específico do câncer de próstata, o adenocarcinoma, que, segundo o professor de Farmácia Rodrigo Ramos Catharino, é um dos tipos mais comuns e agressivos de câncer. "Seguimos a ideia de que, logicamente, se o zika resolvesse a forma mais agressiva, as outras formas também seriam possíveis de serem curadas e/ou tratadas".

O vírus foi aquecido a 56ºC e células tumorais foram colocadas em contato com ele. Após 48 horas as células que estavam em contato com o vírus apresentaram crescimento 50% menor do que as que não estavam. 

Os resultados do trabalho, que contou com mais de 10 pesquisadores e com recurso da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foram publicados na revista científica americana “Scientific Reports”.

"É claro que, para chegarmos a um ideal de como seria o dia a dia dos pacientes e a forma de tratamento a ser utilizada, precisamos ainda passar por etapas de estudo que demandam tempo, mas, com o aporte de investimento necessário, tanto das indústrias quanto do governo, acredito que o tratamento já estaria disponível para a população em cerca de 5 anos", disse o professor Catharino.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247