Walter Torre: Lava Jato faz espetáculo de humilhação

O empresário Walter Torre, dono da WTorre, cuja condução coercitiva para depor em caso ligado à Operação Lava Jato foi determinada pelo juiz Sergio Moro nesta semana, enviou carta por e-mail a funcionários da empresa em que nega envolvimento em qualquer irregularidade; ele critica o funcionamento da operação: "Tenho dúvidas se o fator 'surpresa' que permeia toda a ação da Justiça nas investigações recentes visa 'preservar provas' ou subjugar e humilhar seus alvos. O espetáculo a que fomos submetidos nesta semana me faz acreditar na segunda hipótese"

O empresário Walter Torre, dono da WTorre, cuja condução coercitiva para depor em caso ligado à Operação Lava Jato foi determinada pelo juiz Sergio Moro nesta semana, enviou carta por e-mail a funcionários da empresa em que nega envolvimento em qualquer irregularidade; ele critica o funcionamento da operação: "Tenho dúvidas se o fator 'surpresa' que permeia toda a ação da Justiça nas investigações recentes visa 'preservar provas' ou subjugar e humilhar seus alvos. O espetáculo a que fomos submetidos nesta semana me faz acreditar na segunda hipótese"
O empresário Walter Torre, dono da WTorre, cuja condução coercitiva para depor em caso ligado à Operação Lava Jato foi determinada pelo juiz Sergio Moro nesta semana, enviou carta por e-mail a funcionários da empresa em que nega envolvimento em qualquer irregularidade; ele critica o funcionamento da operação: "Tenho dúvidas se o fator 'surpresa' que permeia toda a ação da Justiça nas investigações recentes visa 'preservar provas' ou subjugar e humilhar seus alvos. O espetáculo a que fomos submetidos nesta semana me faz acreditar na segunda hipótese" (Foto: Valter Lima)

247 - Walter Torre, dono da WTorre, cuja condução coercitiva para depor em caso ligado à Operação Lava Jato foi determinada pelo juiz Sergio Moro nesta semana, enviou carta por e-mail a funcionários da empresa em que nega envolvimento em qualquer irregularidade. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a WTorre recebeu R$ 18 milhões para desistir de uma oferta na obra de ampliação do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras (Cenpes).

Na carta, o empresário afirma que "ofereceu o melhor preço e foi pressionado a abrir mão do trabalho pelo simples fato de não pertencer ao cartel". A obra ficou com o Consórcio Novo Cenpes, composto pelas empreiteiras OAS, Carioca Engenharia, Construbase Engenharia, Schahin Engenharia e Construcap CCPS Engenharia.

"Tenho dúvidas se o fator 'surpresa' que permeia toda a ação da Justiça nas investigações recentes visa 'preservar provas' ou subjugar e humilhar seus alvos. O espetáculo a que fomos submetidos nesta semana me faz acreditar na segunda hipótese", escreveu Walter.

"Me pergunto qual teria sido a finalidade de mandados de condução coercitiva a que fomos submetidos no dia 4 de julho. Pois, quando houve suspeitas sobre nossa conduta, não me escondi e não me omiti. Compareci ao Congresso Nacional e prestei todos os esclarecimentos à Comissão Parlamentar de Inquérito, como muitos de vocês devem lembrar", prosseguiu. 

O dono da WTorre voltou a dizer que "não faz obras públicas", que "não é empreiteiro" e que "nunca recebeu dinheiro de nenhum governo e não faz parte de clube algum".

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247