Weintraub admite corte de R$ 926 milhões na Educação para pagar emendas dos que votaram a favor da Previdência

"É um corte", disse o ministro da Educação, Abraham Weintraub , sobre os R$ 926 milhões do orçamento da pasta para pagar emendas de parlamentares que votaram a favor a reforma da Previdência. "São emendas parlamentes, para projetos específicos, aí foi um corte", afirmou

247 - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, admitiu nesta sexta-feira (16) que a aprovação da reforma da Previdência não garante o "desbloqueio" do orçamento da educação e assumiu que a pasta ainda teve que retirar R$ 926 milhões do orçamento para pagar emendas de parlamentares que votaram a favor a reforma da Previdência.

Ele admitiu ainda que tal remanejamento representa sim, um corte. "Isso não foi feito aqui. É um corte, esse que você descreveu é sim um corte", afirmou o ministro, após questionamento feito por jornalistas da Folha. "São emendas parlamentes, para projetos específicos, aí foi um corte. Não foi um corte da minha caneta".

O corte equivale a 16% do total já bloqueado pelo MEC neste ano. No total, foram destinados R$ 3 bilhões do orçamento do governo para pagar emendas parlamentares, negociadas para a aprovação da reforma da Previdência.

O valor atinge setores omo a manutenção da educação infantil, concessão de bolsas na educação superior e básica e apoio ao funcionamento de instituições federais de ensino.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247