Yarochewsky à PGR: impacto irreversível foi o Judiciário não deixar Lula se candidatar

O advogado e doutor em Ciências Penais Leonardo Isaac Yarochewsky criticou a alegação feita pela procuradora-geral da República Raquel Dodge, que alegou que um habeas corpus em favor do ex-presidente Lula, causaria um "impacto irreversível na ordem interna brasileira"; "O impacto irreversível foi não deixarem o ex-presidente se candidatar", disse

Yarochewsky à PGR: impacto irreversível foi o Judiciário não deixar Lula se candidatar
Yarochewsky à PGR: impacto irreversível foi o Judiciário não deixar Lula se candidatar (Foto: Felipe Gonçalves)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rede Brasil Atual - Em um parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira (3), a procuradora-geral da República Raquel Dodge se manifestou de forma contrária à concessão de um habeas corpus para suspender ação penal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sobre suposta propina da Odebrecht.

No texto, ao comentar uma das argumentações da defesa do ex-presidente que invoca a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU em favor da garantia dos direitos políticos de Lula, ela diz que a decisão, caso fosse cumprida, teria causado "impacto irreversível na ordem interna brasileira", sem, entretanto, apresentar motivos e fundamentos. Dodge diz ainda que a resolução do Comitê foi "frontalmente contrária à Lei Complementar n. 135/10" (Lei da Ficha Limpa).

"O impacto irreversível foi não deixarem o ex-presidente se candidatar", diz o advogado e doutor em Ciências Penais Leonardo Isaac Yarochewsky, sobre a argumentação da procuradora-geral da República. "O desrespeito do Judiciário à decisão do Comitê Internacional de Direitos Humanos da ONU impossibilitou Lula de ser candidato e a situação se tornou irreversível porque já teve a eleição", diz o especialista, observando a faculdade de STJ ou STF virem a anular a ação contra Lula no futuro. "Olha a gravidade disso."

Yarochewsky também falou a respeito do suposto conflito entre a decisão do Comitê e a Lei da Ficha Limpa. "Ainda que tenha sido promulgada pelo presidente Lula e aprovada pelo Congresso Nacional, a Lei da Ficha Limpa viola o princípio da presunção da inocência, esculpido em nossa Constituição, previsto no Pacto de San Jose da Costa Rica."

O jurista também destacou a parcialidade do ex-juiz e futuro ministro da Justiça Sérgio Moro em sua atuação no processo contra o ex-presidente Lula. "Um juiz que virou ministro, pouco dias depois do pleito eleitoral já negociava sua nomeação com a equipe de Jair Bolsonaro", aponta. "Ele era juiz quando liberou a delação de Antonio Palocci, que inclusive foi utilizada na campanha de Bolsonaro e de outros candidatos. E não podemos esquecer que foi em razão da decisão dele e depois do TRF4, que a confirmou, que Lula acabou sendo impedido de concorrer às eleições em razão de condenação sem provas."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247